O que difere uma startup criada a partir de um legado de uma que surge do zero

Cofundadora da Bcredi, fintech que oferece crédito imobiliário, explica que as startups também podem surgir dentro de uma empresa que já existe

Maria Teresa Fornea 21/03/2018
Maria Teresa Fornea 21/03/2018

Fintechs, insurtechs, biotechs, agrotechs, independente do prefixo, o que une essas empresas é a transformação através da tecnologia. São as já famosas startups, que estão mudando a cara do mercado tradicional, propondo inovações para os diferentes nichos em que atuam.

Geralmente, as startups nascem do zero, a partir da identificação de uma ineficiência de mercado a ser resolvida por uma ideia, muitas vezes, disruptiva. Nesse caso, contudo, nem sempre o empreendedor tem a bagagem de produto necessária para fazer o negócio funcionar. Esse é um dos fatores que, infelizmente, levam uma em cada quatro startups a fechar com menos de um ano de funcionamento, e outras 50% pararem de funcionar depois de menos de quatro anos, de acordo com informações da Fundação Dom Cabral.

Por outro lado, o que poucas pessoas sabem é que as startups também podem surgir dentro de uma empresa que já existe. Assim como ocorre no cinema, quando o personagem de um filme faz tanto sucesso que depois acaba ganhando uma sequência só dele, essa mesma movimentação também acontece nas companhias. Dependendo do sucesso de um produto e do seu potencial de crescimento, essa “empresa-mãe” pode fazer um spin-off, ou seja, criar uma nova empresa a partir desse produto. Ao pé da letra, startups spin-off são empresas subsidiárias de outras companhias já consolidadas no mercado, que passam a viver de forma autônoma e independente, caminhando pelas próprias pernas.

Com a tecnologia avançando a todo vapor, inovar é justamente o principal foco de empresas que adotam essa estratégia. Isso porque implementar mudanças e transformar o legado de uma instituição tradicional não é tarefa das mais simples, então o spin-off surge como alternativa para a startup já nascer com uma cultura própria, apostando fortemente em tecnologia e pessoas que pensam fora da caixa para alavancar o novo negócio, ao mesmo tempo que a empresa-mãe mantém seu core business.

Ou seja, o objetivo é trazer o FIN para o TECH, e não ao contrário. Assim, a empresa criada se torna competitiva e acompanha a velocidade do mercado, movendo dados, produtos e clientes para uma nova infraestrutura escalável.

Justamente assim nasceu a Bcredi, fintech do Conglomerado Financeiro Barigui, criada a partir da experiência consolidada de mais de 10 anos do grupo em crédito imobiliário, 500 milhões de crédito já contratados e mais de 5 mil clientes. A Bcredi surge aliando grande expertise de produto à tecnologia de ponta para se tornar a maior empresa de geração e prestação serviços de produtos de crédito imobiliário do Brasil.

E essa é a principal e grande diferença entre startups que surgem do zero versus as que nascem de um spin-off: a expertise adquirida no legado. Desta forma, as startups spin-off saem na frente, oferendo um serviço já amplamente testado e que entrega o que o cliente está buscando!

Maria Teresa Fornea é cofundadora da Bcredi, fintech que oferece crédito imobiliário de forma rápida em um processo 100% online. www.bcredi.com.br

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.