Projeto transformado em realidade

Por Rodrigo Geammal 16/08/2012
Por Rodrigo Geammal 16/08/2012

Lembrando da minha infância, na saudosa Ilha de Paquetá, no Rio de Janeiro, recordei do dia em que passeava em frente à igreja, onde havia uma faixa que dizia: “Últimas barracas disponíveis para a nossa festa!”. Entusiasmado, cheguei em casa e conversei com a minha mãe, dona Berga, para montarmos a nossa barraca de doces.

Todo dia acordava às 4h para pegar a primeira barca rumo ao Rio, onde eu e minha mãe vendíamos doces nas agências bancárias da cidade, na própria barca e na Praça 15! Modéstia à parte, a dona Berga, junto com a Mara (que considero como a minha mãe preta), preparam deliciosos doces e virou um sucesso!

Recordo que viajávamos com as bicicletas cheias e voltávamos com elas vazias tamanha a procura. Na época, eu tinha oito anos. E, tão criança, já tinha uma energia de empreendedor e espírito visionário. Percebendo isso tão cedo em minha vida, mais do que nunca, me animei com a festa da igreja da Ilha. Claro que não tinha conhecimento, mas conversei com minha mãe para ligar para o gerente do banco e pedir um empréstimo de dinheiro para arcar com as despesas da compra de ingredientes, locação da barraca e uma pessoa para ajudar na cozinha. Minha mãe falou: “Menino você está muito esperto!”
Brincadeira à parte: trabalhamos muito, fiz várias viagens de bicicleta levando e trazendo docinhos. Ganhamos diversos clientes, até mesmo no pós-venda, e nossa participação na feira foi um estrondoso sucesso. Compartilho na coluna Megafone deste mês, esta passagem verídica, para ilustrar o tema “Projeto transformado em realidade de negócio”. 

Quando estamos à frente de uma oportunidade, precisamos avaliar diversos pontos para transformar esta ideia em modelo de negócio rentável e promissor. A primeira dica é avaliar se existe emoção para mergulhar na empreitada. Você deve estar achando que este articulista carioca aqui é meio louco! Mas o empreendedor precisa, sim, ter emoção no coração para fazer o projeto acontecer. Se você tem uma ideia e sentiu uma energia positiva e o seu anjinho falou no seu ouvido “vá em frente!”, chegou a hora de transformar este pensamento em projeto.

Acredito que uma das maiores dificuldades é organizar o pensamento, mas faça isso da forma mais simples para você. Primeiro avalie, estude o mercado  para saber se existe alguém explorando este nicho de negócio que você pensou. Se não, já é uma excelente oportunidade. Se sim, a sua análise precisa ser mais detalhada para entender se vale a pena ir em frente. Iniciar um projeto em que já existe concorrência é mais complicado e exige muito mais recurso, conhecimento e capital.

Outra dica importante é rascunhar em uma folha de papel os créditos e débitos. Sob o ponto de vista do crédito pense em todas as fontes de receitas que o seu projeto pode gerar. É assim que se constrói o tradicional planejamento comercial. É preciso ter a resposta sobre como gerar os recursos financeiros para a ideia se sustentar e crescer. Na parte de débitos, relacione todas as necessidades básicas como despesas administrativas, locação de espaço, telefonia, recursos pessoais, despesas de vendas, administrativas, contador, impostos, entre outros custos fundamentais para manter uma empresa. Passada esta etapa, será possível ter noção se tem o dinheiro suficiente para dar andamento no negócio ou se necessita contar com investidor. Para montar um negócio, além do investimento inicial, é fundamental saber o quanto precisa de recursos para manter o empreendimento vivo e ativo, o que requer fluxo de caixa.

E, para concluir os passos principais para investir no projeto do sonho, a última dica é acreditar que no mercado brasileiro é preciso de três a quatro anos para uma ideia dar certo! Portanto, reflita se você tem essa paciência e cumplicidade. Ser empreendedor não é fácil. Volto a dizer: precisa ter emoção no coração!

Costumo dizer que o brasileiro tem muita iniciativa, mas pouca perseverança! Muitas empresas são abertas e muitas são fechadas ainda no primeiro ano de vida. Não desista, mude o foco, inove para achar um novo caminho, mas continue! Admiro os japoneses pela capacidade de reconstrução e o seu pensamento positivo diante das grandes dificuldades vividas. O Brasil precisa de energia e emoção!

Encerro este pensamento e – reflexão – orgulhoso de ver tantas ideias novas sair do papel! Se este país investir em melhorar a nossa relação com impostos, certamente temos tudo para viver tempos melhores. Ser empreendedor é maravilhoso, por isso, acredite em você! Vale a pena!

Autor

  • Rodrigo Geammal

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.