Empresa tem alternativa verde para ser usada na construção civil

Com a lã de PET, material reciclado, a Trisoft oferece uma alternativa verde para o tratamento térmico e acústico das construções

Redação 02/01/2018
Lã de PET, material 100% recilcado usado na construção civil
Redação 02/01/2018

A Trisoft desenvolveu a Manta de PET, um produto alternativo às tradicionais lãs de rocha e de vidro, que degradam o meio ambiente e ainda trazem riscos à saúde. “Nossa maior preocupação era aliar o processo produtivo verde, ou seja, sem degradação ambiental, com um produto que fosse seguro para o isolamento termo acústico no setor da construção civil”, explica Maurício Cohab, diretor da Trisoft, maior fabricante de itens com lã de PET da América Latina.

A Manta de PET é feita de 100% de poliéster, material totalmente reciclável. Além disso, ainda é hipoalergênica, não causa mal algum à saúde do instalador e elimina a utilização de equipamentos de proteção, como macacões de manga longa, luvas, máscaras e não precisa ser ensacada. “Isso significa que criamos um produto ecológico, saudável e que é muito mais durável, suporta a umidade e não deforma, além de deixar a obra mais leve”, enfatiza Maurício.

Entre as vantagens da Manta de PET citadas por Maurício estão :

– Possui ótimo custo x benefício, tornando a obra muito mais leve e eficiente;
– Permite ser embalada à vácuo, garantindo um transporte mais barato;
– É hipoalergênica, dispensando o uso de luvas e máscaras no seu manuseio;
– Não sofre deformação ao longo do tempo, mantendo suas propriedades de isolamento permanentemente;
– Possibilita ficar em contato com a umidade, sem perder suas propriedades.

“É preciso reforçar que, por ser hipoalergênica, a Manta de PET diminui o tempo de aplicação e o custo com EPI´s, deixando a obra mais limpa, mais rápida e mais barata. O instalador trabalha muito mais confortável e sem riscos à saúde, evitando também ações trabalhistas por insalubridade, além de garantir a qualidade de vida dos futuros ocupantes do imóvel”, finaliza Maurício.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.