Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Apesar da crise, produtores de aves apostam em aumento da produção este ano

redacao 31/01/2012
redacao 31/01/2012

A avicultura nacional deve experimentar, este ano, um crescimento moderado, em torno de 2%, tanto na produção quanto na exportação, em função da crise internacional. A avaliação foi feita hoje (30), na Sociedade Nacional de Agricultura (SNA), no Rio de Janeiro, pelo presidente da União Brasileira de Avicultura (Ubrabef), que congrega os produtores e exportadores de aves do país, Francisco Turra.

O consumo interno atingiu 47,4 quilogramas por habitante/ano (kg por hab/ano), em 2011. Ex-ministro da Agricultura entre 1998/1999, Turra manifestou, entretanto, que, para 2012, o setor preferiu ser cauteloso nas previsões. “Nós somos até conservadores. Não estamos fazendo projeção de grande crescimento. Mas nós não vamos nem empatar, nem decrescer”.

Explicou que há muita turbulência no mercado exterior. Alguns países compradores, com o objetivo de proteger o produtor local, começam a ameaçar as exportações brasileiras de aves. “Se não tivéssemos 154 mercados abertos, teríamos sofrido muito”. A Rússia foi um dos países que embargaram as compras do produto brasileiro, de forma “indevida e injustificada”, na opinião de Francisco Turra. Irã e Iraque também reduziram as importações “para proteger o seu produtor”.

A produção avícola nacional cresceu 7% em 2011, tornando o país o segundo maior produtor do mundo, “junto da China e logo depois dos Estados Unidos”. As exportações evoluíram 3,2%, mantendo o Brasil na liderança internacional, com 40% do mercado mundial.

Em relação ao consumo, o crescimento observado foi 10% no ano passado. O presidente da Ubrabef disse que as classes C e D estão consumindo muita proteína. “O brasileiro come 47,4 quilos de frango, 35 quilos de bovino e 15 quilos de suíno [por ano]. Acho que o brasileiro hoje tem acesso [ao consumo de proteínas] mais democratizado, universal. E a carne de frango é mais barata”.

Na área da exportação, argumentou que o mês de janeiro surpreendeu favoravelmente. “Nós vamos crescer em relação a janeiro do ano passado mais de 10%". Os números do desempenho do setor neste primeiro mês do ano serão divulgados amanhã (31). "Mesmo assim, não estamos muito animados para imaginar um crescimento fantástico”, ressalvou.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.