Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Aumenta o número de mulheres em franquias tipicamente masculinas

redacao 15/07/2013
redacao 15/07/2013

O faturamento de franquias lideradas por mulheres apresentaram aumento de até 32% a mais do que o faturamento de lojas gerenciadas por homens, de acordo com a Rizzo Franchise. Ainda segundo a empresa de pesquisa, das 1.558 milhão de pessoas que efetivamente procuraram uma franquia em 2012, 44% são mulheres de diversas faixas etárias. De acordo com o especialista Marcus Rizzo, “as mulheres possuem desempenho maior nas franquias do que os homens, porque elas se adaptam melhor aos padrões, são mais organizadas e possuem maior estabilidade com a equipe de funcionários, gerando, assim, menor rotatividade de pessoal”.

Valéria Aquino tem 42 anos e duas décadas de carreira administrativa em uma empresa de eletroeletrônicos. Sua vida mudou radicalmente ao escolher uma franquia de serviços automotivos que faz reparos rápidos em automóveis. Ela conta que até ser franqueada de três lojas da Oficina Brasil só tinha contato com oficinas mecânicas quando levava o carro para consertar. “No início tive que aprender a lidar com um cliente especializado, que é o de oficina. O treinamento foi muito importante e com o tempo fui me familiarizando com tudo. Aprendi sobre peças e sobre os serviços e hoje já me defendo bem nessa parte”.

 A dedicação e a força de vontade foram essenciais para que o negócio desse certo e três meses depois de abrir a primeira loja próximo ao Aeroporto de Congonhas, Valéria investiu em mais uma unidade em São Paulo. Dois anos depois, já tinha a terceira loja. Sobre como ser uma mulher no comando de um ambiente tipicamente masculino, Valéria conta que só vê vantagens. “Desde o início, os mecânicos sempre foram respeitosos comigo e, apesar das oficinas serem, em sua maioria, ambientes de trabalho onde se fala alto e a linguagem normalmente é mais chula, nas minhas unidades isso não acontece e tudo é bem organizado”.

Uma loja de crédito, que trabalha exclusivamente com produtos financeiros, também nunca foi a preferência de mulheres que desejam ter o próprio negócio, mas não é o que vem acontecendo na Credfácil. A rede de franquias de crédito possui 80 unidades, 11 delas com mulheres no comando.  Um dos exemplos é Silviani do Amaral, de 39 anos, franqueada da unidade de São Luís, no Maranhão. Advogada por formação, ela trabalhou 17 anos como gerente de banco, até resolver ter a sua própria loja para conceder créditos, inclusive para a compra de maquinários, onde o público é tipicamente masculino. “A mulher tem que fazer tudo o que um homem faz e mais um pouco para mostrar seu valor e impor respeito para manter o cargo”. 

Silviani tem sete funcionários em sua franquia e apenas um é homem. “As mulheres são mais comprometidas no que fazem, principalmente se já tiverem filhos. Quando meus clientes do sexo masculino entram em minha loja e desconfiam de nossa competência para falar de números, rapidamente mostramos nosso conhecimento e a situação se reverte na mesma hora”.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.