Última edição Edição 263 March 2017 Assine

Bebidas vão ficar mais caras, afirma setor

redacao 18/03/2011
redacao 18/03/2011

Cervejas, refrigerantes e água mineral vão ficar mais caros. Representantes do setor, reunidos nesta quinta-feira no Ministério da Fazenda, tiveram rejeitada uma proposta apresentada ao governo de manutenção dos impostos e admitiram, na saída do encontro, que irão repassar ao consumidor em forma de alta de preços. O aumento deve superar 10%.

Coluna da Mônica Bergamo de hoje já informava que o resultado da reunião poderia ser um aumento de preço para o consumidor (a íntegra está disponível para assinantes do UOL e do jornal).

De acordo com o vice-presidente da AmBev, Milton Seligman, também vice-presidente do Sindicerv (Sindicato Nacional da Indústria da Cerveja) e da Abir (Associação Brasileira da Indústria de Refrigerantes e Bebidas Não-Alcoólicas), o governo irá reajustar os preços de referência do setor, sobre os quais se aplicam as alíquotas de imposto.

"Bebidas terão os preços ajustados de acordo com a inflação. Os dados da tabela não são conhecidos e o repasse, que é natural não é claro até esse momento", afirmou Seligman.

Os reajustes já devem ser feitos nos próximos 60 dias. Como não há reajuste dos preços de referência desde janeiro de 2009, o aumento será equivalente à inflação acumulada nesse período.

"Nossa reivindicação e a nossa proposta, que já é pública, posta à disposição do governo, é a manutenção dos valores de impostos e, com essa manutenção, o setor se comprometia em investir R$ 7,7 bilhões e a criar 60 mil novos empregos, aumentando a arrecadação em mais de R$ 1 bilhão em relação à base atual de arrecadação federal, só neste ano", afirmou Seligman, sobre a proposta que não foi aceita.

Ele disse ainda que não é possível no momento determinar se haverá impacto nos planos de investimento do setor e na geração de empregos.
 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.