Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Brasil enviará delegação a Moscou para discutir proibição à carne

redacao 02/06/2011
redacao 02/06/2011

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento confirmou a informação do bloqueio da Rússia às importações de carne de 85 empresas brasileiras. Ainda hoje, o Mapa deve divulgar uma nota oficial informando seu posicionamento sobre o embargo.

De acordo com o diretor de Relações com Investidores do Frigorífico Minerva, Eduardo Takeiti, informou que o grupo ficou fora do bloqueio.

"A companhia (Minerva) não opera nos Estados embargados. No fim, a notícia se mostra positiva para nós, já que pode ser uma oportunidade de aumentarmos nossa participação de mercado nas exportações para aquele país. Mesmo se fôssemos atingidos (pelas restrições), temos bastante flexibilidade para atender o mercado de outras unidades", disse Takeiti.

Entre as empresas que sofreram com a proibição estão unidadades da Brasil Foods, JBS, Marfrig, Aurora e Doux Frangosul.

Uma missão do Ministério de Agricultura vai a Moscou na segunda quinzena para discutir com autoridades russas a proibição a entrada de carnes brasileiras originárias dos Estados do Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso, segundo informação da embaixada brasileira na capital russa.

O anúncio da interdição foi feito hoje pelo governo russo. Atinge a entrada de carnes de 85 frigoríficos e entrará em vigor no dia 15. Segundo a embaixada, durante a visita do vice-presidente Michel Temer a Moscou, o secretário de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Francisco Jardim, já tinha tratado das questões sanitárias relacionadas ao acesso das carnes brasileiras com seu colega russo Serguei Dankvert.

Ocorre que a medida anunciada hoje por Moscou é considerada exagerada e alimenta a especulação de que poderia ser uma reação irritada à ausência de progressos para o Brasil dar o sinal verde a entrada da Rússia na Organização Mundial do Comércio (OMC).

Os russos querem entrar na OMC até o fim do ano, apos mais de dez anos de negociações, mas precisam anter fazer concessões não só ao Brasil, como a outros produtores agrícolas como Argentina, Austrália, Canadá, e também aos EUA e União Europeia.

A embaixada brasileira em Moscou diz não ver, porém, qualquer vinculação entre as tratativas mantidas com as autoridades russas em Moscou sobre as condições sanitárias de acesso do mercado russo e as negociações em Genebra de acessão da Rússia à OMC.

Rússia proíbe importações de carne de 89 empresas brasileiras

A Rússia anunciou nesta quinta-feira que a partir do próximo dia 15 estarão proibidas as importações de carne e produtos de carnes de 89 empresas de três estados brasileiros: Mato Grosso, Rio Grande do Sul e Paraná.

"Com esta decisão, expressamos nossa desconfiança com relação aos serviços veterinários destes estados, que não puderam garantir o cumprimento dos requisitos", afirmou Alexéi Alexéyenko, porta-voz da Inspeção Sanitária Agrícola da Rússia (Isar).

A inspeção realizada este ano no Brasil revelou várias deficiências no funcionamento dos serviços veterinários do país sul-americano, apontou Alexéyenko em declarações à agência Interfax. Da forma como está estabelecido o programa de controle veterinário vigente no Brasil, são poucas as mostras de carne submetidas a testes, pelo que não se pode garantir a qualidade de toda a produção procedente do Brasil, ressaltou.

Além disso, as empresas sancionadas não realizaram nos últimos três anos comprovações da presença de mercúrio, praguicidas e dioxinas em sua produção, explicou o representante da Isar. Alexéyenko acrescentou que mais de 260 carregamentos de carne desses produtores continham parasitas e bactérias de diferentes tipos.

Atualmente, o Brasil é um dos principais provedores de carne à Rússia, com 35% das importações de carne de porco, 45% da bovina e 19% da carne de aves, segundo os dados do Instituto de Marketing Agrícola de Rússia. Antes de a proibição ser ditada, havia 236 empresas brasileiras exportando carne à Rússia.

 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.