Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Brasil tem situação melhor que a de outros países em relação a emprego com carteira assinada, diz economista

redacao 24/07/2012
redacao 24/07/2012

Apesar do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) ter apontado uma redução superior a 25% na criação de empregos formais no país no primeiro semestre, em comparação com o mesmo período do ano passado, o panorama de emprego no Brasil ainda é melhor do que o observado em muitos outros países. A opinião é de Julio Gomes de Almeida, ex-secretário de Política Econômica do Ministério da Fazenda e economista do Instituto de Estudos para o Desenvolvimento Industrial (Iedi).

Em entrevista à Agência Brasil, Almeida disse que a vantagem é que o Brasil gerou empregos. “Nosso quadro não é tão bom como foi no ano passado, mas não é tão grave quanto em outros países. Estávamos em um quadro muito bom e que agora não está tão bom. Mas são 1 milhão de empregos, não estamos desempregando. Lá fora, tem aumento do desemprego, sobretudo na Europa. Nós ainda estamos distante disso”, avaliou.

Segundo os números do Caged, divulgados nesta segunda-feira pelo Ministério do Trabalho, a criação de empregos formais no Brasil apresentou queda de 25,9% no primeiro semestre, o que corresponde a 366 mil vagas a menos abertas no mercado de trabalho. Pouco mais de 1 milhão de empregos com carteira assinada foram gerados este ano.

A redução nas vagas abertas com carteira assinada no Brasil, segundo Almeida, deve-se, principalmente, à crise internacional. “O contexto mundial não está bom e isso se revela, aqui dentro, através do ânimo do empresário e da confiança do consumidor, que ficam mais cautelosos. Em economia, cautela significa, para o consumidor, consumir menos e, para o empresário, investir menos. Com isso, o emprego não cresce tanto. A razão de fundo de nossa menor capacidade nesse primeiro semestre de 2012 é que o contexto internacional se deteriorou e isso afetou a expectativa dos nossos empresários e consumidores”, analisou.

A expectativa de Almeida para o segundo semestre é que haja uma pequena melhora na criação de vagas de empregos formais. “Penso que, nesse segundo semestre, a economia vai crescer um pouco mais. A geração de empregos talvez não melhore muito com relação ao primeiro semestre, mas talvez, por outro lado, não se deteriore. Não vamos perder de vista que geramos 1 milhão de empregos com carteira assinada no primeiro semestre deste ano. Se conseguirmos fazer algo assim no segundo semestre e até um pouco melhor, estaremos em um quadro em que há deterioração do emprego, já não cresce como antes, mas nada espetacularmente ruim como lá fora”.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.