Casas Bahia na Rocinha

redacao 20/04/2011
redacao 20/04/2011

Varejista vai comprar centro comercial na maior favela do Rio e deve iniciar operação até dezembro

A Casas Bahia, principal rede varejista de eletrodomésticos, eletroeletrônicos e móveis do País, vai abrir, até dezembro, uma unidade na maior favela do Rio de Janeiro, a Rocinha, onde vivem cerca de 150 mil pessoas.

O grupo empresarial buscava uma área naquele local há cerca de três anos, e deve adquirir o imóvel que abriga atualmente um conjunto de lojas em dois pisos, chamado de "Nosso Shopping". O centro comercial fica na Rua Ápia, na subida da favela da Rocinha, em São Conrado, na zona sul do Rio.

A rede, que tem como principal clientela consumidores das classes B e C, não divulgou dados do tamanho da área em negociação ou valores. Essa será a segunda loja da Casas Bahia em uma favela. Em novembro de 2008, o grupo abriu uma filial em Paraisópolis, na zona sul de São Paulo, de olho na comunidade de 80 mil habitantes.

O grupo informou que vai priorizar a contratação de mão de obra local, assim como fez em Paraisópolis. Na época da inauguração do empreendimento, dos 50 funcionários contratados, 27 foram recrutados na própria favela para atuar nas áreas de venda, caixa etc. A rede não divulga desempenho individual das lojas.

O Estado do Rio já tem 95 lojas da Casas Bahia. Em todo o País, a rede tem 986 pontos de venda em 11 Estados, incluindo as unidades do Ponto Frio e do Extra Eletro, do grupo Pão de Açúcar, do empresário Abílio Diniz. Os dois grupos se associaram no ano passado, criando a Nova Globex, que espera para este ano faturamento de R$ 20 bilhões.

No ano passado, o grupo faturou R$ 10 bilhões, mas entraram na contabilidade resultados de 12 meses do Ponto Frio e de apenas dois meses da Casas Bahia.

Em busca de novas oportunidades, a Casas Bahia, fundada há 57 anos pelo empresário Samuel Klein (hoje com 87 anos), também tem interesse na região Norte, única onde a rede ainda não está presente. "Estamos prospectando a região", confirmou uma fonte ligada ao grupo.

 

 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.