Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Ciência de serviços é demanda do futuro, diz especialista

redacao 24/10/2013
redacao 24/10/2013

Fábio Gandour, da IBM, diz que não há mais a separação entre empresas de produtos e empresas de serviços

A separação entre empresas de produtos e empresas de serviços é coisa do passado, segundo o cientista-chefe do laboratório da IBM Research Division do Brasil, Fábio Gandour. Ele esteve em Cascavel (PR) nesta semana a convite do Sebrae no Paraná para falar a uma plateia de empreendedores que participam da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia. 

O produto, para o palestrante, é um serviço que atende ao desejo das pessoas. “O hambúrguer, por exemplo, só vende se alguém sente fome. A empresa que fabrica o produto hambúrguer só vai capitalizar quando alguém sentir fome, for até o balcão, onde alguém pega esse hambúrguer, coloca em um pão e entrega. Ele deixa de ser um produto e vira um serviço para matar a fome de alguém”, exemplificou Gandour. 

Diante desse novo cenário, Gandour alertou que os empresários precisam estar atentos e aprenderem a transformar simples produtos em serviços que satisfaçam as pessoas. “Alguns produtos são fáceis de fazer isso, como o hambúrguer. Porém, outros são um pouco mais complexos para se dar componentes de serviços, como o banco de automóvel fabricado por uma indústria. Esse é um produto que serve a outro produto, o carro”, assinalou. 

Mesmo assim, garantiu o palestrante, se a empresa que fabrica o banco para automóvel pesquisar para onde vai o automóvel e diversificar nas propostas, ela agregará mais valor de serviço. “A montadora é uma integradora de produtos que só no final da cadeia vão se transformar em serviços. Porém, o fabricante do banco pode colocar um aquecedor no assento que vai para os carros vendidos no sul do país, por exemplo. Dessa forma, essa indústria deu ao produto um caráter de serviço”, comentou. 

Para que as empresas consigam fazer a transformação dos produtos, complementou Fábio Gandour, elas precisam investir em pessoas e tecnologia. “O empresariado é que tem que começar a chegar perto da ciência. Contratar funcionários com credencial acadêmica alta, mestres, doutores. É o setor privado que vai manter a força da atividade científica e tecnológica, não apenas o governo e as universidades”, afirmou. 

Fábio Gandour foi um dos palestrantes da Semana Nacional de Ciência e Tecnologia em Cascavel, que segue até esta sexta-feira (25). “Convidamos os interessados em aprimorar conhecimentos sobre ciência, tecnologia e inovação a conferir nossas palestras, showroom de empresas inovadoras e aplicativos empresariais. O evento é uma oportunidade de interação com especialistas”, orienta o consultor do Sebrae no Paraná, Osvaldo César Brotto. Para participar, basta que os interessados dirijam-se ao local do evento na Rua Paraná, no 4.696, e façam a inscrição, que é gratuita. A programação completa pode ser acessada no sitewww.snct.com.br

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.