Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

CNDL defende que reajuste do teto do Simples seja aprovado ainda em 2010

redacao 03/12/2010
redacao 03/12/2010

A CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas) defende que o reajuste do teto do faturamento do Simples Nacional seja aprovado ainda este ano. Na última quinta-feira (2), o Plenário informou que o projeto de lei será votado em regime de urgência.

Segundo o presidente da entidade, Roque Pellizzaro Junior, a aprovação do requerimento de urgência favorece a votação da proposta ainda este ano.

“Esse reajuste não é bom só para a empresa, mas também para o governo, que poderá arrecadar mais com o aumento da formalidade”, diz.

Setor lojista
Ele acrescenta que os lojistas apoiam a aprovação do projeto, já que eles trabalharam com os parlamentares para que a proposta tramitasse no Congresso.

“A CNDL trabalhou para recolher junto às lideranças assinaturas e vimos que o Congresso está sensível quanto a essa questão. Se for levada adiante, a aprovação vai viabilizar muitos negócios e também mais empregos e formalidade no País” , declarou.

Sobre as mudanças
Entre as alterações da proposta, de acordo com a Agência Câmara, está o aumento do limite de faturamento das empresas cadastradas no Simples, passando de R$ 2,4 milhões por ano para R$ 3,6 milhões por ano, no caso das de médio porte. Para as microempresas, o limite de faturamento anual subiria de R$ 240 mil para R$ 360 mil. Também está prevista a extinção da substituição tributária para empresas optantes pelo regime.

Além disso, o projeto propõe a extinção da cobrança de ICMS (Imposto Sobre Circulação de Mercadoria e Serviços) nas fronteiras dos estados, já que em cada um deles as alíquotas de cobrança do ICMS são diferenciadas e cobradas quando ultrapassam as fronteiras. O objetivo seria extinguir esse recolhimento, pois estimula a sonegação.

A proposta prevê ainda a inclusão de todas as atividades no Simples. Algumas delas, como arquitetos, corretores e jornalistas, entre outras, não podem aderir ao regime simplificado. Com essa mudança no texto, todas as atividades poderiam se cadastrar.
 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.