Comércio espera aumento moderado nas vendas de Natal

redacao 14/11/2011
redacao 14/11/2011

Famílias endividadas tendem a deixar de lado os presentes e pagar dívidas

Com a proximidade do Natal e do Ano Novo, época em que tradicionalmente as pessoas com algum poder aquisitivo trocam presentes, a previsão dos lojistas é de um crescimento moderado nas vendas.

O economista-chefe da CNC (Confederação Nacional do Comércio), Carlos Thadeu de Freitas, acha que as vendas não devem crescer mais do que 5%, uma vez que as famílias estão mais endividadas, em decorrência da inflação mais alta ao longo deste ano e o décimo terceiro salário será mais usado, provavelmente, para saldar dívidas e limpar o nome. A percepção do momento, segundo ele, é de que “o consumidor está mais contido”.

Já o presidente da CNDL (Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas), Roque Pellizzaro Junior, estima um aumento de 6% a 7% nas vendas do comércio varejista, em relação ao final do ano passado. As vendas natalinas de 2010 contabilizaram aumento de 10% sobre as vendas no mesmo período de 2009. Isso, apesar da expansão do comércio pela internet, lembrou Pellizzaro.

Para dar conta da maior movimentação de pessoas no comércio à medida que se aproxima o Natal, os empresários do setor fizeram as contas sobre a necessidade de contratações adicionais de mão de obra e estimam a criação de 160 mil empregos temporários, de acordo com dados da CNDL. Isso dá 11% a mais que os 144 mil postos de trabalho de 2010 e 28% a mais que as 125 mil contratações de 2009.

Segundo Pellizzaro, “teremos um Natal bom este ano”, mesmo considerando-se que o cenário atual é de desaceleração da demanda doméstica e que o crescimento estimado será sobre uma base forte de vendas [fim do ano passado]. – As sinalizações mais fortes para contratações temporárias e crescimento das vendas vêm do Sudeste e do Nordeste, acrescentou.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.