Última edição Edição 263 March 2017 Assine

Confira os prós e os contras da competitividade

redacao 10/12/2009
redacao 10/12/2009

Profissionais competitivos existem aos montes Brasil afora, mas nem todo mundo admite a característica. Na realidade, segundo o sócio-diretor do Grupo Bridge, Celso Braga, normalmente, as pessoas não percebem que são competitivas.

E quem são esses profissionais e como atuam no dia-a-dia? Para Braga, eles estão mais preocupados com o próprio resultado do que com os avanços da equipe. Também não levam em consideração que os colegas podem precisar de ajuda.

*Pessoas assim existem, mas estão em baixa. Hoje, na maioria das empresas, não há mais espaço para a competição. O foco passou a ser o trabalho em equipe. Tanto que, já no processo seletivo, elas costumam ser cortadas. É nítido quando alguém é competitivo. Seu discurso, na entrevista de emprego, é todo na primeira pessoa: eu fiz, eu realizei. Na dinâmica em grupo, ele ou ela toma a dianteira*, conta.

A diretora da RMML Consultoria de Imagem Corporativa, Renata Mello, explica que o competitivo, é, via de regra, mais agitado, ansioso e exigente. *Por querer crescer e aparecer mais, esse tipo de profissional é mais inquieto. Muitas vezes, não pensa duas vezes antes de passar por cima de alguém para poder crescer. No entanto, é complicado usar a equipe para aparecer. Uma hora, essa pessoa cai, porque, ao longo do tempo, cria inimigos*.

Pontos positivos e negativos
Na opinião de Braga, o ponto positivo de ser competitivo é a capacidade de alavancar resultados muito bons. E qual seria o negativo? *Se o profissional não faz sua parte pensando no coletivo, pode beneficiar seu departamento, mas prejudicar os outros. Por exemplo, na área comercial, é comum encontrar pessoas competitivas. Porém, de que adianta o profissional vender mais do que a empresa é capaz de produzir ou administrar (no caso de contratos)?*.

@@@

*Quem é competitivo, não é competitivo por acaso. Geralmente, ele tem força, talento, é bom no que faz, ou seja, tecnicamente é muito capaz, mas, do ponto de vista comportamental, tem esse defeito, perceptível para todos que estão ao redor*, explica o sócio-diretor do Grupo Bridge.

*Recentemente, estava conversando com uma pessoa que contou ter um gerente muito bom em sua empresa, mas que não poderia promovê-lo por conta de seu estilo competitivo. Como ele poderia subir e ser diretor sem resolver antes o conflito que tem com o grupo? Não dá, porque um diretor tem a função de conciliador*, acrescenta.

Na opinião de Renata, a competição só é boa quando falamos de concorrência com outras empresas do mesmo ramo. Ou seja, o profissional que é competitivo visando ao ganho da empresa perante suas concorrentes é valioso. Todavia, ela é maligna quando se dá contra os colegas de trabalho e subordinados (no caso dos líderes). *O competitivo, com o tempo, é excluído do grupo, e fica conhecido como arrogante. Ele é o sabe tudo, que está sempre certo. Porém, cedo ou tarde, a máscara cai*, garante ela.

Críticas
O competitivo precisa tomar cuidado com o hábito de criticar os outros. *É uma característica forte dos competitivos fazer críticas e depreciar o esforço e o trabalho alheio. Ele só vê o lado ruim do colega de trabalho por conta da necessidade de chamar a atenção. A reação das pessoas, normalmente, é marcada por passividade*, diz Braga.

Também é necessário se atentar para a falta de paciência, segundo ele. *O competitivo não é fiel à empresa, somente a ele mesmo. Quando não cresce rapidamente, ele deixa o emprego, porque não tem paciência de esperar*, completa.

A diretora da RMML Consultoria de Imagem Corporativa finaliza lembrando que, tudo que é feito por *mais de uma mão* é melhor. *O trabalho feito em equipe é mais rico, mais consistente*.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.