Contra a crise, varejo importa ‘Black Friday’

redacao 24/11/2011
redacao 24/11/2011

Redes brasileiras de varejo promovem dia de descontos que é tradicional nos EUA, tentando antecipar as vendas de Natal

A desaceleração da economia e a redução da intenção de compra dos consumidores motivaram as varejistas brasileiras a promoverem amanhã uma versão local da Black Friday (sexta-feira negra), dia de grandes descontos realizado nos Estados Unidos na última sexta-feira de novembro.

Em 2010, os brasileiros já tinham "importado" a data do varejo americano, mas limitada a lojas da internet. Com perspectivas mais pessimistas sobre a economia, a Black Friday ganhou mais adesões no Brasil. As empresas querem aproveitar a data para desovar estoques e antecipar as vendas de Natal.

As novas perspectivas da economia levaram o grupo Pão de Açúcar a reforçar sua ação para a Black Friday. No ano passado, o grupo participou com ofertas na loja virtual do Ponto Frio. Mas, neste ano, será a primeira rede a oferecer o dia de promoções em lojas físicas no Brasil.
Os cerca de 330 supermercados da marca Extra oferecerão descontos de até 70% em produtos eletrônicos, têxteis e da ceia de Natal, como panetone e frutas secas.

"A ideia (de lançar a promoção nas lojas) começou quando recebemos da imprensa e dos nossos fornecedores notícias negativas sobre o fim de ano", afirma o diretor de Operações do Extra, Jorge Faiçal Filho. Ele diz que a rede não sentiu uma desaquecimento de suas vendas, mas, diante do cenário econômico mais pessimista, quer usar a promoção para antecipar as vendas de fim de ano. "Queremos aproveitar a primeira parcela do décimo terceiro salário", diz.

Para driblar o aumento da inadimplência, que atingiu em outubro o maior patamar desde novembro de 2009, o Extra também vai estender o prazo de pagamento em um mês para compras feitas amanhã. A expectativa do grupo Pão de Açúcar é vender de 70% a 100% mais amanhã do que no mesmo período de 2010.

Como destacou o consultor Claudio Felisoni, o varejo precisa criar eventos que ajudem a alavancar as vendas. "Desde maio as vendas vêm desacelerando e, em relação ao ano passado, a disponibilidade do consumidor para novas dívidas diminuiu", disse Felisoni.

Segundo ele, o crescimento médio das vendas do varejo deve ficar em 8% este ano. Mas a expansão passou de 15% em janeiro para 4,7% em setembro, numa curva descendente. Diante desse cenário, é interessante antecipar as vendas.

E-commerce

A versão brasileira da Black Friday nasceu no ano passado por iniciativa do site Busca Descontos, que reuniu promoções de 15 varejistas virtuais na data. A edição deste ano ganhou o reforço de sites de compras coletivas, com a participação de cerca de 50 empresas, como Walmart, Magazine Luiza, Americanas.com e Netshoes. A expectativa é somar R$ 15 milhões em vendas na sexta-feira, cinco vezes mais que em 2010.

"Neste ano, as lojas prometem dar descontos maiores. Muitas se prepararam para uma venda maior durante o ano, que não aconteceu, e agora querem girar o estoque", disse o fundador do Busca Descontos, Pedro Eugenio. Para acessar as promoções, os clientes devem se cadastrar no site. Outras varejistas, como o Carrefour, farão promoções por conta própria em seus sites.

 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.