Desafios do profissional de RH

redacao 16/02/2011
redacao 16/02/2011

Algumas empresas investem em tecnologia e esquecem de aplicar recursos na capacitação de seus colaboradores. Este é um dos maiores erros – se podemos chamar assim – da maioria das empresas. Elas ignoram que o seu maior diferencial competitivo é o capital humano.

Os problemas já começam na hora da contratação. Muitas organizações não possuem critérios claros e, muitas vezes, compram “gato por lebre”, por não haver definição objetiva de perfis de cargos a serem preenchidos.

Diversas empresas crescem de forma desestruturada, causando anomalias organizacionais; e normalmente pagam preço alto por isto, pois não possui planejamento de estrutura de cargos e efetivo adequado de profissionais por área e tão pouco definição dos níveis de autoridade e responsabilidade por função. Pagam muito para quem traz poucos resultados e pouco para os que fazem a diferença, por não ter uma política salarial direcionada, causando, assim, uma insatisfação na empresa.

Os profissionais passam o sentimento de estarem na organização por falta de opção e não por opção, não havendo comprometimento dos mesmos com os resultados da companhia.

Outro erro muito cometido é a empresa não definir metas por cargo ou função e indicadores de performance. Isso faz com que o profissional fique desorientado, sem saber qual caminho traçar para suas atividades e como realmente pode agregar valor para a organização.

Temos empresas que, de alguma maneira, se preocupam em capacitar seus profissionais. Elas investem em treinamento e desenvolvimento, mas cometem um erro gravíssimo: não traçam, para os programas de treinamento, objetivos claros e resultados esperados, causando a impressão de se estar jogando dinheiro fora.
É comum empresas não conseguirem reter colaboradores com desempenho diferenciado e os perdem para concorrência ou empresa vizinha por não terem plano de carreira eficaz.

Líderes não conduzem sua equipe para os objetivos organizacionais por não estarem capacitados para isto, e não realizam seu principal papel que é o de desenvolver pessoas.

Estes problemas tornam-se um circulo vicioso e colocam a longevidade das empresas em risco. Todos os fatores mencionados acima ocorrem por problemas de não haver políticas e processos de Recursos Humanos (RH) bem definidos e, assim, surge a necessidade empresarial de ter profissionais desta área competentes, atualizados e bem preparados.

No entanto, muitos ainda são vistos como: administrador de rotinas; importantes pela relação de confiança; resistentes a mudanças; poucos flexíveis; inseguros; acomodados; visão focada em redução de custos.

Os profissionais de RH que têm obtido sucesso nos seus resultados na organização são aqueles que sabem pensar e atuar estrategicamente, que possuem pleno conhecimento do negócio da empresa; exercem a função de consultor interno; éticos; são verdadeiros parceiros de seus clientes internos; estabelecem metas e objetivos; buscam alinhar os objetivos organizacionais com os objetivos pessoais dos colaboradores da empresa; medem resultados; sabem aprender a aprender. Afinal, o importante é saber que trem está na estação e se não pegá-lo, talvez não consiga alcançá-lo nunca mais.

Francisco Arean é coordenador do MBA Gestão de Capital Humano. www.trevisan.edu.br

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.