Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Embraer recebe pedidos para novos jatos executivos

redacao 10/12/2009
redacao 10/12/2009

 A Embraer obteve os dois primeiros pedidos firmes para seus dois recém-lançados jatos executivos, modelos Legacy 450 e Legacy 500, informou um executivo da companhia nesta sexta-feira.

As encomendas foram convertidas de um total de mais de 100 indicações preliminares que a Embraer informa ter recebido quando os jatos foram lançados na feira de aviação de Genebra no mês passado. Apesar disso, a Embraer não divulgou quantos desses interesses foram transformados em pedidos firmes.

"Nós assinamos alguns (contratos firmes). Temos mais de 110 cartas de intenção; quantas desse total desistiram nós não sabemos ainda, mas esperamos ter uma boa indicação até Farnborough", disse Colin Stevens, vice-presidente de marketing e vendas da companhia brasileira, a jornalistas.

A feira de aviação de Farnborough, na Inglaterra, começa em 14 de julho.

Os novos aviões, que se enquadram nas categorias "mid-light" e "mid-size" e são vendidos por entre 15 milhões e 18 milhões de dólares, têm capacidade para 7 e 12 passageiros mais dois tripulantes.

A Embraer, que começou suas atividades como fabricante de aeronaves militares e hoje é uma das três maiores empresas de jatos regionais do mundo, tem investido pesadamente em aviões executivos desde 2002, em uma tentativa de diversificar sua base de receitas.

Os novos aviões ampliam a linha de jatos executivos da empresa para seis modelos. A Embraer tem meta de ter 25 por cento de suas receitas totais sendo geradas pela aérea de aviação executiva até 2010.

A companhia deve entregar seu primeiro Phenom 100 (jato executivo de 3 milhões de dólares da categoria "very light") no segundo semestre do ano.

@@@

Avião de combate

Na feira de Paris, a Embraer confirmou que vendeu um caça turboélice para uma unidade da Blackwater Worldwide, maior empresa de serviços de defesa do mundo, e afirmou que o aparelho não será usado em operações no Iraque.

A venda do Super Tucano, primeiramente informada no domingo, foi liberada pelos governos do Brasil e dos Estados Unidos, segundo Fernando Ikedo, vice-presidente de inteligência de mercado para mercados de defesa e governo, durante coletiva de imprensa em Paris.

"Vendemos um Super Tucano para a (subsidiária da Blackwater) EP Aviation, mas somente para uso de treinamentos nos Estados Unidos", disse o executivo. "Não há ligação com o Iraque", acrescentou.

A Blackwater, formada em 1997 pelos ex-fuzileiros Erik Prince e Al Clark, cuida da segurança de pessoal do governo norte-americano no Iraque, Afeganistão e em outros países. A empresa está sob investigação do FBI por causa de suspeita de matar diversos civis iraquianos em Bagdá em setembro de 2007.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.