Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Marca aposta em franquia para possibilitar que os não-especialistas invistam

redacao 23/04/2014
Marca aposta em franquia para possibilitar que os não-especialistas invistam
redacao 23/04/2014

A Direito de Ouvir – especializada em venda, manutenção e suporte técnico de várias marcas de aparelhos auditivos, pilhas e outros acessórios – acaba de lançar sua rede de franquias. Possibilitar que empreendedores das mais variadas áreas e não mais apenas fonoaudiólogos possam abrir uma clínica com a marca Direito de Ouvir é o propósito da empresa.

Fundada em 2005, a partir de uma ideia da fonoaudióloga Andréa Campos Varalta Abrahão e projetada pelo empresário Frederico Vaz Guimarães Abrahão, a Direito de Ouvir opera em mais de 300 cidades brasileiras com 180 fonoaudiólogos credenciados. A intenção da empresa é substituir os atendimentos por lojas franqueadas, ampliando a visibilidade da marca. “Antes de lançarmos o modelo de franquia, apenas fonoaudiólogos formados e credenciados podiam utilizar nossa marca em seu negócio. Agora, o empreendedor não precisa ser especialista. Basta que ele queira um negócio com potencial lucrativo e tenha um fonoaudiólogo em sua equipe”, explica o franqueador Frederico Vaz Guimarães Abrahão.

O potencial de crescimento da Direito de Ouvir pode ser comprovado em pesquisas. Os brasileiros estão vivendo mais e a principal causa da perda auditiva – que exige a utilização de aparelhos – é o avanço da idade. O aumento da expectativa de vida e a diminuição das taxas de natalidade também projetam um crescimento da população idosa, que passou de 2,7% em 2009 para 7,4% em 2010, segundo o censo do IBGE.

O foco da franqueadora é abrir unidades em cidades com mais de 100 mil habitantes. A estrutura exigida para abrir uma franquia da marca é a partir de 50m2 de área e três profissionais: uma secretária, um fonoaudiólogo e o próprio franqueador. “O importante é que a secretária realize um acolhimento personalizado ao cliente e que a fonoaudióloga dê um atendimento humanizado. O cliente precisa que sua prótese seja ajustada e monitorada adequadamente. Para isso, oferecemos treinamento, suporte e também realizamos o pós-venda”, informa Abrahão.

O investimento inicial para abrir uma unidade é a partir de R$ 175 mil, a taxa de franquia varia entre R$ 30 mil a R$ 60 mil e o capital de giro necessário fica entre R$ 18 mil e R$ 45 mil. O faturamento médio mensal é de R$ 60 mil, o lucro líquido fica entre 11% e 20% e o prazo de contrato é de 60 meses.

www.direitodeouvir.com.br

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.