Faturamento de PME’s sofre queda com greve dos caminhoneiros

Redação 05/06/2018
Redação 05/06/2018

A greve dos caminhoneiros afetou praticamente todos os setores do Brasil, principalmente os pequenos e médios empresários que, por terem um faturamento menor do que o das grandes companhias, veem um impacto direto na hora de fechar as contas do mês. Algumas das principais reclamações desses empresários foram o desabastecimento e a falta de movimento durante os últimos dias.

Essa é a percepção de Rodrigo Martins, dono da startup Via, que oferece serviços e plataforma de gestão para pequenas e médias empresas. “Os nossos clientes têm relatado diversas dificuldades, que vão da queda no movimento até a dificuldade para encontrar insumos, passando pelo desfalque no quadro de funcionários, que não conseguiram chegar até a empresa”.

De acordo com Martins, o mais importante agora é o poder de reação desses empresários, que devem fazer análise das contas do negócio e repensar onde é possível economizar, já que esse faturamento perdido durante a greve dificilmente será recuperado.

Segundo dados divulgados pelo Sebrae o impacto da greve tende a ser ainda maior nas micro e pequenas empresas localizadas em cidades com mais de 100 mil habitantes, onde o setor de comércio e serviços trabalha com poucos estoques. Hoje, elas representam 98% das empresas do país, geram 52% da massa salarial e são responsáveis pela maioria da geração de emprego.

Um dos pontos que prejudicou o faturamento desses empreendimentos foi a queda no movimento, já que muitas pessoas não saíram de casa por falta de transporte. A Drywash, que oferece lavagem a seco de automóveis, observou uma queda de 80% na frequência de clientes. Algumas das lojas, em determinados dias, não receberam nenhum cliente, o que ilustra o quão desesperador chegou a ficar a situação.

Já no setor de alimentação, que foi um dos primeiros a sentir o impacto do desabastecimento, foi preciso agir rápido. “Conversei com o dono do Grill Hall Gourmet e ele me informou que houve muita dificuldade de encontrar insumos, principalmente verduras, o que acarretou no custo maior desses produtos. Além disso, eles não conseguiram repassar os valores para os clientes, e absorveram o prejuízo”, conta Martins.

 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.