Florianópolis possui a segunda maior densidade de empreendedores de TI no país

A fintech Asaas, de Joinville (SC), abriu operações na capital catarinense instigada pelo ecossistema maduro da cidade

Redação 10/08/2018
Redação 10/08/2018

Florianópolis possui a segunda maior densidade de empreendedores no setor de tecnologia no Brasil, atrás apenas de São Paulo, de acordo com o estudo Observatório, da Associação Catarinense de Tecnologia (Acate). Apesar da capital paulista ter um pouco mais do que o dobro da população da capital catarinense, a diferença do número de empreendedores nesse setor a cada 100 mil habitantes entre as duas é pouca: São Paulo  tem uma densidade de 828 pessoas empreendendo em TI e Florianópolis, 750.

De olho no ecossistema aquecido de startups da ilha, a Asaas, nascente em tecnologia de Joinville (SC) que tem uma plataforma de gestão de cobranças e pagamentos para MEIs e pequenas empresas, abre sua primeira unidade comercial fora da cidade natal, em Florianópolis.

Piero Contezini, CEO da Asaas, explica que a possibilidade de se conectar com o ambiente inovador motivou a expansão. “O protagonismo de Florianópolis no cenário nacional de startups naturalmente atrai mais agentes do setor para a cidade. Queremos estar perto desse movimento e aproveitar as oportunidades de conexão com potenciais clientes e parceiros”, destaca Piero.

De olho no mercado

O primeiro profissional da empresa a se instalar na Capital em tempo integral é um business developer, ou simplesmente bizdev. Comum em empresas de tecnologia, a função desse colaborador é desenvolver o mercado, fazer conexões com possíveis clientes e gerar novas parcerias. Trazido de uma grande empresa nacional do setor de meios de pagamento, o bizdev da Asaas em Florianópolis terá a função de abrir uma frente da startup na cidade.

“Escolhemos esse perfil de profissional para iniciarmos nossas operações na Capital por ele ter uma visão estratégica de mercado de pagamentos e facilidade de relacionamento. Assim, conseguiremos entender as oportunidades e aproveitar as vantagens de estarmos inseridos neste rico ecossistema mais rapidamente”, explica Piero.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.