Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Freio na indústria diminui arrecadação de IPI em 11%

redacao 28/03/2012
redacao 28/03/2012

 O mau desempenho da indústria, setor mais afetado pela freada da economia, já produz impacto visível sobre a receita tributária do governo.

A arrecadação de fevereiro mostra queda de 2% dos valores obtidos com o IPI (Imposto sobre Produtos Industrializados), considerada a variação da inflação. Uma análise mais detalhada dos dados, no entanto, revela uma piora bem mais aguda.

Quinto principal tributo cobrado pela União, o IPI também incide sobre importados, cujo valor acompanha a alta do volume das compras externas. Além disso, alíquotas sobre bens produzidos no exterior subiram recentemente.

Descontada a tributação dos importados, a receita do imposto teve redução de 11% ante fevereiro de 2011, o pior desempenho entre os tributos federais mais importantes.

Trata-se de uma tendência: se observado apenas o IPI sobre produtos nacionais, há uma forte queda desde novembro, que coincide com a desaceleração da receita total da União.

Naquele mês, a taxa de crescimento da arrecadação tributária, que andava na casa de dois dígitos até o semestre anterior, caiu para pouco mais de 6% –e, desde então, não ultrapassou esse ritmo.

No mês passado, o percentual ficou em 5,9%. Embora outros tributos já mostrem sinais da perda de fôlego, a alta foi ajudada pelo desempenho dos importados e por uma antecipação de pagamentos por parte de bancos.

As projeções orçamentárias do governo contam com uma alta de cerca de 4% na arrecadação do IPI neste ano, estimada em R$ 51 bilhões.

A meta deve se tornar mais difícil com as recém-anunciadas reduções de alíquotas para estimular setores como móveis e a prorrogação de incentivos para a linha branca.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.