Governo deve lançar programa de incentivos para aumentar produção de trigo

redacao 10/12/2009
redacao 10/12/2009

O ministro da Agricultura, Reinhold Stephanes, confirmou hoje (16) que o governo federal pretende lançar um programa de incentivos para que o Brasil aumente sua produção de trigo. Na última safra, o país produziu 3,8 milhões de toneladas de trigo, de um total de 10,2 milhões consumidas pela população.

Stephanes adiantou que os principais pontos do programa de incentivos serão preço mínimo, crédito e seguro. As outras condições, segundo o ministro, já estão dadas. Nesta semana, foi aprovado no Conselho Monetário Nacional o reajuste de 20% nos preços mínimos do trigo para a próxima safra. O limite do crédito rural para os produtores de trigo também foi ampliado e passou de R$ 300 mil para R$ 400 mil.

"O Brasil, que está produzindo 40% das suas necessidades de trigo, pretende, nessa próxima safra, lançar um programa de incentivo para voltar a produzir 60% de suas necessidades e, conforme a conjuntura mundial, continuar aumentando essa produção, já que o Brasil, no passado, por um período pequeno, chegou a ser auto-suficiente em trigo, ou seja, nós temos capacidade de produção", afirmou Stephanes, que participou da 30ª Conferência Regional da Organização da Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO).

O ministro explicou que o país optou, há mais de duas décadas, por importar trigo, pois era mais barato e possibilitava fornecer o pão a um custo mais baixo ao consumidor. Atualmente, com os estoques do produto diminuindo e os preços subindo, o produtor brasileiro passa a ter mais oportunidades na produção do trigo. "O preço do trigo aumentou e hoje o Brasil consegue, em conseqüência disso, produzir trigo abaixo dos preços que o mercado internacional está cobrando", acrescentou.

No período de um ano, o preço da tonelada de trigo no mercado mundial subiu mais de 100%. No início de 2007, a tonelada do trigo custava US$ 208, mas este ano já passou de US$ 455.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.