Inadimplência das empresas tem a maior alta em 20 meses

Pelo menos 70% das dívidas em aberto têm como principais credores empresas do ramo de serviços

Redação 10/07/2018
Redação 10/07/2018

O número de empresas com dificuldades em pagar as contas segue crescendo no país. Dados do Indicador de Inadimplência apurado pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostram que, no último mês de maio, frente ao mesmo período do ano passado, cresceu 9,37% o volume de empresas que tiveram o CNPJ negativado em virtude do não-pagamento de contas. Trata-se do maior crescimento observado na série histórica desde setembro de 2016, quando a alta apurada havia sido de 9,61%. Na comparação com o mês anterior, sem ajuste sazonal, isto é, entre abril e maio deste ano, a alta da inadimplência das empresas foi de 0,73%. Para o presidente da CNDL, José Cesar da Costa, a saída da recessão ainda não se reflete em melhoras inequívocas na gestão financeira das empresas. “Apesar de a taxa Selic estar em seu piso histórico, os spreads bancários ainda são altos, o que inviabiliza um custo menor do crédito nas operações do dia a dia dos empresários. Além disso, o desemprego elevado desaquece as vendas, diminuindo a margem de lucro das empresas, assim como a perspectiva de investimentos”, explica o presidente.

A alta da inadimplência entre as empresas foi puxada principalmente pela região Sudeste, cujo crescimento foi de 16,54% na comparação entre maio de 2018 com o mesmo mês do ano passado. Em segundo lugar ficou a região Sul (4,92%), seguida do Centro-Oeste (3,80%), Nordeste (2,94%) e Norte (2,10%). “Até o final do ano passado, vigorava uma lei no Estado de São Paulo que condicionada qualquer negativação de CNPJ ao envio de uma correspondência com aviso de recebimento. Como é um recurso mais custoso do que uma carta simples, algumas empresas deixaram de registrar casos de inadimplência. Quando a lei foi derrubada, os registros passaram a ser inseridos na lista de devedores de forma mais abrupta, causando um crescimento acentuado do indicador nesta região”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

O crescimento da inadimplência em maio foi mais expressivo entre as empresas do ramo de serviços, cuja alta foi de 12,62%. O comércio (6,92%) aparece em segundo lugar, seguido das indústrias (5,78%). O único setor a apresentar queda na quantidade de empresas com contas em atraso é o ramo da agricultura, que apresentou um recuo de -4,02% em novas negativações. Em média, cada empresa inadimplente possui duas dívidas em aberto. De acordo com o indicador, a quantidade de dívidas em nome de pessoas jurídicas também cresceu em maio na comparação com o mesmo mês do ano passado: alta de 7,94%.

Considerando os segmentos credores, ou seja, aqueles que deixaram de receber por uma dívida, o destaque ficou por conta do segmento de serviços, que engloba bancos, financeiras e empresas de seguro, com alta de 9,79% no período. As indústrias são o segundo ramo que mais deixou de receber (7,45%), seguidas do comércio (3,42%).  O ramo da agricultura é, mais uma vez, o único segmento que apresentou queda, nesse caso, de -5,14%. No total, em cada dez dívidas em nome de pessoas jurídicas no Brasil, sete (70%) são devidas em empresas de serviços. Outros 17% estão concentradas no comércio, enquanto 12% tem como principais credores as indústrias.

Outro dado apurado pelo SPC Brasil e pela CNDL é o Indicador de Recuperação de Crédito. Nesse caso, houve uma tímida melhora: no acumulado dos últimos 12 meses,cresceu apenas 0,39% o volume de empresas que saíram da lista de inadimplentes mediante o pagamento das contas que estavam em atraso.  A alta da recuperação de crédito em maio foi puxada, sobretudo, pela região Sudeste onde a quitação de dívidas cresceu 5,32% no acumulado de 12 meses. Por outro lado, nas demais regiões houve quedas. A mais acentuada foi observada no Sul (-6,53%), seguido do Norte (-3,84%) e Centro-Oeste (-2,23%).

Para a economista Marcela Kawauti, “o crescimento modesto da recuperação de crédito reflete a tímida melhora da economia como um todo. No período mais crítico da recessão, o volume de quitação de dívidas caiu seguidamente, mas agora mostra tendência de melhora, ainda que de forma lenta. Para os próximos meses, o avanço mais vigoroso das recuperações depende de uma aceleração do ritmo de retomada econômica, o que ainda não se projeta no atual cenário”, analisa.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.