Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Índices de importação devem crescer mais que exportação em 2012, diz CNI

redacao 20/03/2012
redacao 20/03/2012

Coeficiente de exportações, que mede a participação das vendas externas no valor da produção, passou de 17,8% para 19,8% entre 2010 e 2011

Os indicadores de importação medidos pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) devem crescer mais que os índices de exportação em 2012, de acordo com a entidade. O coeficiente de exportações, que mede a participação das vendas externas no valor da produção, passou de 17,8% para 19,8% entre 2010 e 2011, segundo a CNI.

Os porcentuais são os mesmos registrados pelo indicador que mede a participação das importações na demanda doméstica de produtos industriais. Entre 2001 e 2007, no entanto, o índice de exportações superava com folga o de importações, segundo a confederação.

A CNI destaca ainda que essa "coincidência" se deve ao desempenho da indústria extrativa, exportadora de produtos básicos. Quando se considera apenas a indústria de transformação, há um aumento menor no coeficiente de exportações, de 13,9% para 15%, na mesma comparação. Já o índice de penetração de importações cresceu de 16,6% para 18,5% no mesmo período.

Outro resultado ruim para a indústria de transformação, segundo a CNI, é o índice de exportações líquidas, que corresponde a aproximadamente o saldo comercial do setor. Esse indicador cresceu de 8,1% em 2010 para 9% em 2011, também puxado pela indústria extrativa. Na indústria de transformação, caiu de 3,4% para 3% no mesmo período e alcançou o menor valor da série iniciada em 1997.

"Essa tendência nos leva a esperar um crescimento mais intenso dos coeficientes de importação do que de exportação. Se nada for feito para aumentar a competitividade dos produtos brasileiros, creio que o quadro tenda a se agravar", disse o gerente-executivo da Unidade de Política Econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

"Com esse quadro se repetindo, vamos ter um baixo crescimento da produção e, como consequência, da economia em 2012."

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.