Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

IPI, oferta de crédito e juros baixos favoreceram vendas de carros no primeiro bimestre

redacao 07/03/2013
redacao 07/03/2013

O retorno das alíquotas do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) – que estão sendo recompostas gradualmente desde janeiro – juros baixos e a disponibilidade para compra de carros novos foram os principais fatores que estimularam as vendas de veículos leves (carros de passeio e utilitários, como vans) no primeiro bimestre de 2013 – o melhor resultado já obtido pela indústria automobilística nacional. A análise é do presidente da Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), Cledorvino Belini.

“As vendas foram boas em função do IPI ter retornado somente uma pequena fatia, vai ter mais uma parte a partir de abril, e retorna totalmente no mês de julho. Por isso, que o mercado reagiu bem além dos juros baixos e da disponibilidade de crédito, que foram fatores decisivos para o aumento das vendas”, disse o presidente da Anfavea.

As vendas de veículos leves (como carro de passeio) em janeiro e fevereiro totalizaram 428,7 mil unidades, 10,3% superior ao atingido no mesmo período de 2012. O resultado foi o maior já alcançado para os dois primeiros meses do ano pela indústria automobilística nacional. A produção de veículos leves no primeiro bimestre chegou a 508,6 mil unidades, 18,4% a mais em comparação a igual período do ano passado.

O presidente da Anfavea, no entanto, espera que mesmo com o aumento do IPI nos próximos meses, as vendas de veículos continuem em alta. “À medida que o IPI for subindo há uma elasticidade preço versus procura que deve ser considerada. Porém, se toda a economia girar, toda economia estiver girando a uma certa velocidade, ela pode absorver esse efeito do aumento do IPI”, destacou.

O mês de fevereiro apresentou queda nas vendas na comparação com janeiro. As vendas caíram de 243,4 mil veículos, em janeiro, para 185,2 mil, no segundo mês do ano, variação que, segundo Anfavea, ocorreu pela quantidade menor de dias úteis no mês, e por ser fevereiro o mês que tradicionalmente menos se vende carro. 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.