Líderes empresariais pedem desoneração do custo da energia elétrica para setor industrial

redacao 23/07/2012
redacao 23/07/2012

Após encontro organizado pela Confederação Nacional da Indústria (CNI) na capital paulista na sexta-feira (20), dirigentes empresariais decidiram apresentar ao governo no dia 20 de agosto, entre outras propostas, a desoneração do custo da energia elétrica para o setor industrial. O pedido será encaminhado ao Conselho Nacional de Desenvolvimento Industrial (CNDI), instância superior de aconselhamento do Plano Brasil Maior, lançado em agosto de 2011 pelo governo federal.

De acordo com o presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Robson Braga de Andrade, espera-se que haja uma redução considerável do custo de energia. “Tem que ser uma redução forte, porque pequena não resolve o problema”, disse. Segundo o presidente da CNI, uma redução entre 10% e 15% seria satisfatória, mas alguns setores como o de alumínios precisariam de um ajuste maior, de 20% no mínimo. “É claro que gostaria que fosse bem acima disso, porque a energia brasileira hoje é a segunda mais cara do mundo”, disse.

Paulo Godoy, presidente da Associação Brasileira da Infraestrutura e Indústrias de Base (Abdib), disse que os vencimentos das concessões do setor elétrico, que começam em 2015, podem resultar em redução de custos, “um dos elementos importantes para a competitividade industrial”.

Godoy também defende uma revisão dos impostos e encargos setoriais que incidem sobre a energia, como a Conta de Consumo de Combustíveis (CCC) e a Reserva Global de Reversão (RGR). Para ele, outros cortes, como no Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), PIS e Cofins, também poderiam ajudar.

Além da questão da energia, investimentos na área da infraestrutura foi discutido no encontro. O relançamento das concessões de estradas, liberação de novas autorizações para portos e ampliação das concessões de aeroportos serão importantes para o país.

Godoy avalia que, de modo geral, as medidas do Plano Brasil Maior dependem de maior estrutura no país. “Elas [medidas] são importantes, são pontuais, terão efeito, mas o efeito permanente se dará através de políticas mais estruturantes”, disse.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.