Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Maioria dos recrutadores rejeita candidato por conteúdo em rede social

redacao 04/11/2011
redacao 04/11/2011

O conteúdo compartilhado nas redes sociais pode ser responsável tanto pela eliminação quanto pela contratação de um profissional, aponta pesquisa feita pela Reppler, consultoria especializada em gerenciamento de imagem nas mídias sociais. Segundo levantamento realizado com 300 recrutadores americanos, 69% deles já rejeitaram candidatos baseados em informações encontradas em sites como LinkedIn, Facebook e Twitter. Ao mesmo tempo, um número semelhante (68%) diz já ter contratado pessoas por causa da boa impressão causada pelos perfis criados nessas redes.

No caso de rejeição, as razões dadas pelos recrutadores para não contratar variam e vão desde aspectos da vida pessoal compartilhados nas redes, como postagem de fotos e comentários impróprios, discriminatórios ou relacionados ao uso de drogas e álcool, até “gafes” profissionais, como comentários negativos sobre empregadores anteriores, compartilhamento de informação confidencial de trabalhos passados e mentiras sobre qualificações. Também é motivo para não contratar, segundo os pesquisados, a falta de habilidade para se comunicar nas redes sociais.

Para a presidente do grupo DMRH e colunista do Valor Sofia Esteves, um exemplo comum de comentário em rede social que pode ajudar ou prejudicar, dependendo da abordagem escolhida pelo usuário, é a crítica. Postar análises e comentários construtivos e embasados passa a informação ao recrutador de que o candidato sabe se comunicar. “Mas tem gente que exagera, usa palavra de baixo calão, o que prejudica a imagem profissional”, explica Sofia. Falar mal de empregadores anteriores e reclamar demais do emprego atual também são erros graves, assim como criar um perfil em um site de relacionamento profissional enquanto ainda está empregado e deixar transparecer que a única intenção é procurar outra vaga. “Se você tiver dúvida se deve ou não postar algo, é preciso se perguntar se você falaria aquilo ao vivo”, completa a consultora.

Estar presente nas mídias sociais apenas para “entrar na onda”, sem compreender exatamente como utilizá-las, também pode causar prejuízos. “Se você não souber se comunicar direito nas redes, melhor nem estar ligado a elas”, explica a consultora sênior da DMRH Giuliana Hyppolito. Para ela, que é responsável pela área de mídias sociais na DMRH, o melhor, nesse caso, é não se expor.

Entre os recrutadores que dizem ter contratado pessoas depois do que viram nas redes sociais, a pesquisa aponta que as principais razões foram a boa impressão passada pelos perfis em relação à personalidade e organização, o fato de o perfil confirmar as qualificações profissionais, mostrar criatividade, boa comunicação e dinamismo, além de apresentar boas referências e prêmios recebidos pelo candidato.

Mais de 90% dos recrutadores consultados dizem usar os sites de relacionamento para pesquisar mais sobre os candidatos. Desses, quase metade (47%) costuma fazer a investigação on-line logo após o recebimento do currículo. Cerca de um quarto (27%) o faz depois da primeira conversa e 15% só checam as redes sociais após seguidas conversas, que detalham melhor o perfil do profissional.

Para detectar aspectos positivos ou negativos dos candidatos, 76% utilizam o Facebook, 53% preferem o Twitter e 48%, o LinkedIn.
 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.