Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Mais da metade do faturamento dos estabelecimentos comerciais vêm dos meios eletrônicos de pagamento

redacao 10/10/2011
redacao 10/10/2011

Mais da metade do faturamento dos estabelecimentos comerciais vêm dos meios eletrônicos de pagamento

A posse de cartões de crédito, de débito e de rede/loja na população aumentou de 68%, em 2008, para 72,4%, em 2011. Nos estabelecimentos comerciais, os meios eletrônicos de pagamento também ganharam mais espaço e respondem pela maior fatia de faturamento, com 54%. É o que mostra pesquisa encomendada pela Associação Brasileira das Empresas de Cartões de Crédito e Serviços (Abecs) ao Instituto Datafolha.

Entre as modalidades de meios eletrônicos de pagamento, a posse do cartão de débito entre os consumidores foi a que mais cresceu nos últimos três anos, de 53%, em 2008, para 60%, em 2011. Em seguida vêm o cartão de crédito, de 48% para 53%, e o cartão de rede/loja, de 26% para 28%. No entanto, a evolução da posse de cartão de crédito nos últimos dois anos foi muito superior quando observada no universo da classe C: de 38%, em 2009, para 47%, em 2011. No geral, a classe A/B detém a maior posse de cartões, com 88%. A classe C possui 68% e a classe D/E, 34% – com decréscimo de 6% em relação a 2008.

Quando avaliados por faixa etária, os consumidores de 25 a 34 anos (79%) e de 35 a 44 anos (76%) são os que têm mais cartão. No entanto, os crescimentos mais expressivos de 2009 a 2011 ocorreram nos dois extremos: 60 anos ou mais (de 52% para 68%) e de 18 a 24 anos (de 65% para 71%).

No mesmo período, a posse de meios eletrônicos de pagamento também registrou maior crescimento entre as pessoas de escolaridade média (de 70% para 78%) e do sexo masculino (de 68% para 74%). Nas regiões pesquisadas, Brasília é a capital com maior índice de posse de cartões (85%), inclusive quando observadas as modalidades de débito e de crédito separadamente. Por outro lado, as menores taxas de posse são encontradas em Belém (68%), Manaus (65%) e no Recife (63%). Curiosamente, a maior posse de cartões de rede/loja é de Belém, com 58% – a menor é de São Paulo, com 20%.

Sobre a expectativa de crescimento, após ouvir os não possuidores de cartão sobre a intenção de adquirir esse meio de pagamento nos próximos 12 meses, o estudo revela que a posse de cartões deve crescer o mesmo que no total dos últimos três anos, chegando a 76% em 2012.

Hábitos e preferência

Além de confirmar o aumento da posse, a pesquisa revela uma tendência de crescimento no uso habitual de cartões, que subiu de 63%, em 2009, para 69%, em 2011 – apenas 3% abaixo do índice de posse (72%). A preferência pelo cartão em relação a outros meios de pagamento também cresceu, de 36% para 40%.

Os itens que os consumidores mais adquirem com o cartão encontram-se nos grupos: roupas, calçados e joias, bens duráveis para a casa e estadias de hotéis e pousadas, com 68% cada em relação aos que adquirem com meios não eletrônicos de pagamento. Em seguida, estão passagens para viagens (64%), material para construção (61%), combustível (57%) e produtos alimentícios (54%).

Por outro lado, os artigos menos adquiridos com o cartão são jornais, revistas e livros (15%), educação (25%), lazer (29%) e serviços médicos, clínicas e hospitais (31%). O papel moeda ainda é o responsável pela grande maioria dos gastos de menor valor, os chamados small tickets – jornais, revistas e livros (83%) e lazer (71%). Os meios eletrônicos continuam mais utilizados para valores acima de R$ 50: mais de R$ 500 (84%), entre R$ 100 e R$ 500 (80%) e entre R$ 50 e R$ 100 (63%). Abaixo disso, o cenário é o inverso, com predominância do dinheiro em papel: entre R$ 20 e R$ 50 (cartão, 39%, e dinheiro, 61%), entre R$ 10 e R$ 20 (cartão, 18%, e dinheiro, 83%) e até R$ 10 (cartão, 9%, e dinheiro, 91%).

O hábito de compra pela internet com meios eletrônicos de pagamento também cresceu. Em apenas um ano, de 2010 a 2011, o número de pessoas que costumam pagar com cartão de crédito na web pulou de 9% para 15%. Nos últimos anos, ainda segundo o estudo, reduziu consideravelmente a parcela de portadores que já deixaram de pagar o valor integral da fatura. A porcentagem de pessoas com esse hábito caiu de 49%, em 2008, para 36%, em 2011. Deste último valor, 30% já quitaram a dívida em questão.

Avaliação dos meios eletrônicos

Na opinião dos consumidores entrevistados, os principais pontos fortes do cartão de débito são a segurança (a pessoa não precisar andar com dinheiro), a agilidade no pagamento, a praticidade e a grande aceitação. Como pontos fracos, a segurança também é citada (risco de clonagem e roubo), bem como o imediatismo do débito (dinheiro sai da conta na hora) e problemas com o equipamento. Vale ressaltar que 25% dos portadores de cartão não apontam nenhum aspecto negativo ao cartão de débito.

Quando o assunto é cartão de crédito, foram mencionados como pontos positivos a segurança (a pessoa não precisar andar com dinheiro), o parcelamento sem juros, a agilidade e o prazo mais longo para o pagamento. Os entrevistados relacionam como pontos fracos as altas taxas de juros, a anuidade, a falta de controle nos gastos e a falta de segurança (risco de clonagem e roubo).

Estabelecimentos comerciais

Ao ouvir comerciantes afiliados nas 11 capitais brasileiras que participaram da pesquisa, constatou-se que os meios eletrônicos de pagamento respondem por mais da metade do faturamento dos estabelecimentos e sua participação tem aumentado a cada ano, atingindo 54% em 2011. O cartão de crédito é o meio que possui a maior fatia, com 36%, seguido pelo dinheiro em papel, com 33%, e pelo cartão de débito, com 18%. O cheque é o que mais perdeu espaço nos últimos anos, de 7%, em 2008, para 3%, em 2011.

Ao decidir aceitar e incentivar o uso de meios eletrônicos de pagamento, os lojistas consideram a garantia de recebimento o principal fator de influência. Em uma escala de 0 a 10, esse quesito teve média de 8,3, mesma nota verificada no ano passado. Esse também é o principal ponto forte do cartão na opinião do comércio, seguido por segurança para o estabelecimento e para o cliente, praticidade, agilidade e aumento das vendas. Sobre as empresas de cartão, o item com o qual os varejistas estão mais satisfeitos é a rapidez e a facilidade da operação. Em seguida, estão: questões financeiras – recebimentos, extratos etc. – e atendimento do representante comercial (2º lugar), manutenção dos equipamentos, site e central de atendimento (3º lugar), promoções e incentivos (4º lugar) e condições comercias – aluguel, taxas e parcelamento (5º lugar).

Abertura do mercado de credenciamento

A pesquisa de 2011 verificou, junto aos estabelecimentos comerciais afiliados, suas percepções em relação ao setor de cartões após um ano da abertura do mercado de credenciamento, que ocorreu em julho de 2010. Para a grande maioria (70%), a situação melhorou após a abertura; e para 27%, o cenário continua igual. Apenas 3% acham que a situação piorou no período. A questão da tecnologia é a que mais recebeu indicação de melhoria por parte dos entrevistados, com 59%. Em seguida, estão produtos oferecidos (52%), disponibilidade de rede (48%), segurança (47%), qualidade das máquinas (44%), preços/taxas (34%) e ofertas/promoções (29%). Nesses dois últimos itens, a maioria (55% e 67%, respectivamente) acha que a situação continua igual, ou seja, que nada mudou após a abertura do mercado.

Em relação aos estabelecimentos comerciais, o estudo conclui que a aceitação de cartões de crédito e de débito já está consolidada. A intenção de continuar oferecendo essa forma de pagamento é motivada pela garantia de recebimento e pelo desejo de prestar o melhor atendimento aos clientes. É possível constatar também que a abertura do mercado de credenciamento gerou alta aprovação e sinaliza impacto positivo na relação do comércio com as empresas de cartão.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.