Mais de 150 mil metalúrgicos podem iniciar greve amanhã em São Paulo

redacao 10/12/2009
redacao 10/12/2009

A partir de manhã (28), o segmento dos metalúrgicos vinculados ao chamado Grupo 10 da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo ( Fiesp), que reúne entre 150 mil e 180 mil trabalhadores, pode paralisar as atividades, se não houver até o final do dia de hoje (27) uma negociação, a exemplo do que ocorreu no caso da maior parte da categoria, filiada à Força Sindical.

Em todo o estado de São Paulo, atuam no ramo cerca de 750 mil profissionais. Segundo o presidente do Sindicato dos Metalúrgicos de São Paulo e Mogi das Cruzes, onde a base soma cerca de 60 mil trabalhadores, a maior parte da categoria no estado já fechou acordos, conquistando ganhos reais entre 3% e 3,6%, mais a variação do Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC). Com base na estimativa do Banco Central de uma inflação em outubro em 0,38% ou 0,40%, Torres acredita que o reajuste dos salários possa ficar próximo de 10,3%.

Sobre o fato de os empresários do Grupo 10 não terem ainda concordado em estender esse nível de correção, o líder sindical afirmou ter “estranhado” esse comportamento, embora reconheça que a crise financeira internacional possa influenciar as decisões. “Estou estranhando porque entre os grupos que aceitaram pagar o reajuste estão empresas pequenas. A gente sabe que pode ocorrer efeitos da crise [financeira internacional] , mas acreditamos que ainda assim pode ser feito um esforço para atender a classe trabalhadora”, disse Torres.

Pela manhã, a assessoria de imprensa da Fiesp informou que não estava prevista nenhuma rodada de negociações. Entre as indústrias sujeitas à paralisação estão os setores de lâmpadas e de iluminação; de proteção e tratamentos de superfícies, estamparia em latas e folhas metálicas.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.