Empreendedor - negócio criativos, inovadores e rentáveis

EMP 261 site Última edição Edição 261 December 2016 Assine

Mão de obra mais cara eleva custo da construção

Erguer uma edificação em São Paulo ficou mais caro em maio devido, principalmente, à correção salarial

redacao 04/06/2014
04_06_construcao
redacao 04/06/2014

Erguer uma edificação no estado de São Paulo ficou mais caro em maio por causa, principalmente, da correção salarial. O Custo Unitário Básico (CUB) subiu 1,71% sobre abril, mês em que a variação havia sido 0,15%. Desde janeiro, o CUB acumula alta de 2,23% e, em 12 meses, 4,62%.

O cálculo feito pelo Sindicato da Indústria da Construção Civil (SindusCon-SP) em conjunto com a Fundação Getulio Vargas (FGV) leva em consideração as obras não incluídas na política de desoneração da folha de pagamentos. O CUB serve de base para reajuste em contratos de obras.

No quinto mês do ano, o valor da mão de obra aumentou 2,16%, bem acima da correção constatada nos materiais (0,97%). E só a remuneração dos engenheiros subiu 2,85%. O valor aplicado na construção por metro quadrado ficou em R$ 1.124.

Por meio de nota, o vice-presidente de Economia do SindusCon-SP, Eduardo Zaidan, esclareceu que  “os custos com a mão de obra se elevaram em função dos reajustes salariais definidos pelas convenções coletivas assinadas com os sindicatos dos trabalhadores da capital paulista e de outros municípios do Estado”.

O levantamento indica ainda que em relação às obras que contam com a desoneração da folha de pagamentos a variação do CUB atingiu 1,65% com o valor por metro quadrado avaliado em R$ 1.046. No ano, o índice acumula alta de 2,22%.

Já os valores gastos pelas construtoras na aquisição de materiais tiveram elevação de 0,97%. A pesquisa mostra ainda que mais da metade de um total de 41 insumos da construção foram corrigidos com índice superior ao da variação do Índice Geral de Preços do Mercado (IGP-M) que apresentou, em maio, resultado negativo (-0,13%). Entre os itens que mais encareceram estão o cimento, saco de 50 quilos com alta de 4,21%; registro de pressão cromado (2,59%); aço (2,29%) e brita (1,69%).

por Agência Brasil

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.