Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Número de falências recua novamente em fevereiro, aponta a Serasa

redacao 05/03/2012
redacao 05/03/2012

 O número de falências decretadas recuou 29,69% entre fevereiro deste ano, na comparação com o mesmo período de 2010, passando de 64 para 45 registros, segundo dados divulgados pela Serasa Experian nesta segunda-feira (5).

Do total das falências no mês passado, os decretos das micro e pequenas empresas caíram de 60 para 35, e das grandes empresas passaram de dois para apenas um decreto. No entanto, em relação às médias empresas, o número passou de 2 decretos para 9.

Levando em consideração o mês de fevereiro, em relação a janeiro, o número de empresas que tiveram a falência decretada passou de 33 para 45, aumento de 36,36%.

Requerimentos
Quanto ao processo de falências requeridas, o indicador constatou aumento de 13,43% no primeiro mês deste ano (152 requerimentos), frente ao mesmo período de 2010 (134 requerimentos).

Nesse quesito, as MPEs foram responsáveis por 79 pedidos em fevereiro, as médias empresas por 46 e as grandes empresas por 27 requerimentos.

Considerando a comparação entre janeiro com o mês passado, o número de falências requeridas cresceu 22,58%, sendo 12,86% para as MPEs, 38,49% para as médias empresas, e 17,39% para as grandes empresas.

Segundo os economistas da Serasa Experian, o aumento da inadimplência das empresas, sobretudo via protestos, indica que o requerimento de falências vem sendo utilizado como forma de cobrança. Esta prática foi comum antes da Nova Lei de Falências, em vigor desde 2005, a qual estabelece que apenas dívidas superiores a 40 salários mínimos podem fundamentar pedidos de falência de um negócio.

De acordo com os especialistas, a inadimplência das empresas vem subindo em razão da menor capacidade de gerar receitas para pagar as dívidas assumidas, consequência clara da baixa atividade econômica e dos juros ainda elevados. Além disso, a inadimplência do consumidor também influencia diretamente no caixa dos negócios.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.