Oportunidade para produtor brasileiro de boi vai aumentar devido à seca nos EUA

redacao 09/08/2013
redacao 09/08/2013

Em viagem técnica às regiões produtoras de carne bovina nos Estados Unidos, o diretor da Araucária Genética, Marcelo Vezozzo, confirmou que a produção de boi norte-americana vem sofrendo sucessivas reduções e que as oportunidades para os produtores brasileiros vão aumentar. Segundo Vezozzo, o rebanho bovino norte-americano é atualmente de 90 milhões de cabeças, o menor desde 1952. “O rebanho foi reduzido em função da seca e do avanço da produção de grãos nas áreas de pastagens. E o pior é que eles estão esperando mais seca para este ano”, ressalta.

Por outro lado, Vezozzo diz que os americanos e canadenses continuam investindo pesado na evolução genética buscando o aumento da produção de carne em seus rebanhos, principalmente da raça aberdeen angus. “A principal tendência dos produtores norte-americanos é reduzir o tamanho dos animais, eliminar a recria, desmamar bezerros com 205 dias pesando 350 quilos e abatendo-os com um ano de idade, com 680 quilos de peso vivo, rendendo mais de 60% de carcaça limpa. Esses índices já estão sendo alcançados nos rebanhos especializados na produção de touros que visitamos. Os touros têm que gerar bezerros pequenos e com alto índice de desenvolvimento”, relata.

Vezozzo pesquisou muitos touros com características superiores e que devem reforçar a bateria de sêmen da Araucária Genética. “Essa genética de ponta vai estar em breve à disposição dos pecuaristas brasileiros que pretendem aumentar seus lucros, produzindo animais diferenciados no mercado”, afirma.

A Araucária Genética Bovina atua no mercado nacional e internacional há 22 anos. A empresa é pioneira em buscar o melhor da genética mundial, trabalhando com importação e exportação de genética de raças bovinas de corte e leite. Além do material genético, a Araucária disponibiliza as mais modernas tecnologias de produção para a bovinocultura, proporcionando eficiência e rentabilidade aos pecuaristas.

Marcelo Vezozzo diz que a produção é padronizada e os pecuaristas que produzem estes animais de maior qualidade lá fora recebem até 30% acima do mercado em bonificação. “Hoje, estamos caminhando para um processo em que a carne de boi também tem marca, como a do frango. O Frigorífico Marfrig, um dos parceiros da Araucária Genética, está pagando em média 7% a mais para os pecuaristas brasileiros que produzem animais cruzados com angus. E faltam animais de qualidade para abastecer o mercado”, conta. www.argen.com.br

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.