Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Pesquisa mostra que 57% vão usar 13º salário para pagar dívidas

redacao 09/11/2010
redacao 09/11/2010

Pesquisa da Anefac (Associação Nacional dos Executivos de Finanças, Administração e Contabilidade) mostra que 57% dos consumidores pretendem utilizar o 13º salário para pagar dívidas. No ano passado, o índice era superior, de 64%, segundo o levantamento feito pela entidade durante o mês de outubro com 567 pessoas de todas as classes sociais.

Para o economista Miguel Ribeiro de Oliveira, coordenador da pesquisa, o dado indica que "a melhora da economia, com o crescimento da renda e do emprego, e o crescimento do crédito, reduziram as dívidas pendentes destes consumidores".

O estudo mostra ainda que 19% pretendem utilizar parte do 13º salário para compra de presentes; 12% pretendem poupar para os gastos do início do ano (como IPTU, IPVA, material e matrículas escolares) e 3% pretendem destinar o pagamento para compra e reforma de residência. Outros 6% já receberam o 13º ao longo do ano ou fizeram empréstimos de antecipação e apenas 3% pretendem poupar parte do que sobrará.

Segundo a Anefac, o índice de consumidores que pretendem guardar parte do abono, apesar de ainda pequeno, cresceu 200% na comparação com 2009, quando só 1% dos entrevistados afirmaram que poupariam parte dos recursos.

A Anefac destaca ainda o aumento de 11,76% no número de consumidores que pretendem utilizar o 13º para a compra de presentes ante o ano passado, "demonstrando o aumento da confiança do consumidor o que leva o mesmo às compras", e também um crescimento de 200% entre os que pretendem guardar parte dos recursos para as despesas do início do ano.

TIPOS DE DÍVIDAS

Dívidas do cartão de crédito representam 38% das que estão em aberto e que serão liquidadas com os recursos do 13º salário (aumento de 31% na comparação com 2009).

Na sequência, aparecem a cobertura do cheque especial, com 35% (queda de 12,% na comparação com 2009), e financiamento em atraso no bancos e financeiras, com 9% (aumento de 12,5% na comparação com 2009). Também há dívidas com prestação do comércio em atraso (8%), regularização do nome (7%) e dívidas diversas (como telefonia e tarifas públicas), com 3%.

INTENÇÃO DE COMPRAS

Os itens que lideram a lista de intenção de compras são os eletroeletrônicos e eletroportáteis (76%), celular (75%), brinquedos (68%), além de roupas (67%), bens diversos (65%) e produtos de informática (50%). O levantamento é de múltipla escolha.

Dos quase 600 entrevistados, 35% afirmaram que pretendem gastar de R$ 200 a R$ 500 com as compras do fim do ano, 22% pretendem gastar de R$ 100 a R$ 200 e 10% até R$ 100. Os demais têm a intenção de consumir acima de R$ 500.

Quanto à forma de pagamento (item da pesquisa com respostas múltiplas), 80% entrevistados afirmaram que as compras serão feitas com cartão de crédito, e 74% com recursos próprios e à vista (cheque ou cartão de débito). Em terceiro estão os cheques pré-datados, que representam 71% das forma de pagamento.

RECOMENDAÇÕES

Para os consumidores que usaram o extra para pagar dívidas, o economista da Anefac aconselha quitar principalmente aquelas que embutem encargos maiores, como o cartão de crédito rotativo e o cheque especial –na média atinge 10,69% ao mês (238,30% ao ano) e 7,47% ao mês (137,38% ao ano), respectivamente.

"Quitadas as dívidas, lembre-se de tentar reservar os valores necessários para as despesas de começo do ano (IPTU, IPVA e de despesas escolares (livros, uniformes e matriculas), além das compras de Natal (cheques pré-datados e cartão de crédito), para evitar entrar novamente no vermelho no começo do próximo ano", afirma o executivo.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.