Preços dos produtos de Páscoa sobem menos que dos demais alimentos

redacao 10/12/2009
redacao 10/12/2009

Os preços de produtos de Páscoa subiram menos nos últimos 12 meses do que o dos alimentos como um todo. Segundo pesquisa especial sobre itens da época, publicada nesta segunda-feira (17) pela Fundação Getúlio Vargas, a cesta com oito componentes registrou – entre março de 2007 e fevereiro de 2008 – alta de 3,45%. O grupo Alimentação, no mesmo período, subiu 9,66%.

O levantamento foi feito com base nas variações coletadas para realização do IPC-S (Índice de Preços ao Consumidor – Semanal). A data será comemorada no próximo domingo (21).

Bombons e chocolates

Bombons e chocolates ficaram, em média, 3,45% mais caros nos últimos 12 meses. O avanço é menor do que o registrado em 2007, quando a alta foi de 6,50%. O coordenador do estudo, André Braz, justificou que o encarecimento dos produtos foi motivado pelo aumento no preço de itens utilizados em sua fabricação: cacau, leite e embalagens.

O cacau teve valorização de 13,84% ano passado, enquanto que a alta registrada entre janeiro e fevereiro de 2008, de 14,81%, já supera essa variação. O leite in natura teve incremento de 36,42% no ano passado. Por fim, os preços das embalagens subiram 20,25% em 2007.

Pescados e bacalhau

Os pescados frescos apresentaram alta superior à registrada em 2006 e 2007, a variação média dos últimos 12 meses até fevereiro de 2008, está em 2,43%. Os pescados industrializados, sardinha e atum em conserva, subiram 2,71% e 0,57%, respectivamente.

Vale ressaltar que entre os itens que ficaram mais baratos em relação à última Páscoa estão azeite de oliva e o bacalhau, ambos registrando queda de 6,99% e 4,99%, respectivamente. "A redução registrada nos preços destes produtos tem como principal justificativa a valorização do Real frente ao dólar, pois boa parte destes produtos comercializados no varejo é importada", explicou Braz.

Maior alta

O item de maior destaque foi o ovo de galinha, cujo preço registrou elevação de 23,50% nos últimos 12 meses. Braz explicou que esse comportamento é comum na época de quaresma – os 40 dias que antecedem a Páscoa – por conta do aumento da procura por parte dos consumidores.

Isso ocorre, continuou, porque as pessoas normalmente deixam de comer carne no período, utilizando, portanto, os ovos como fonte de proteína. Além disso, também é registrado um forte encarecimento das rações de aves, que subiram 23,46% em 2007, e entre janeiro e fevereiro de 2008 já acumulam alta de 2,95%.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.