Produto feito com garrafas PET previne incêndios e intoxicação

Produto é a evolução da espuma de PU e alternativa viável para enchimento de colchões, estofados e outros produtos.

Redação 30/01/2017
Redação 30/01/2017

A intoxicação pela fumaça inalada é a principal causa de óbitos em incêndios, como o que acabou de acontecer em um hotel no litoral paulista e o que matou mais de 240 pessoas no incêndio na Boate Kiss, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, há exatos 4 anos. A solução existe e é um produto que não propaga chamas e não emite gases tóxicos, produzido com lã de PET, reciclado e 100% reciclável.

Para Maurício Cohab, Diretor da Trisoft, maior fabricante de produtos com lã de PET da América Latina, é inadmissível que a legislação ainda permita que um produto tão inflamável e tóxico como a espuma seja utilizado amplamente, tanto em novos estabelecimentos como nos mais antigos, principalmente em locais de grande fluxo ou permanência de pessoas, como hotéis, hospitais, restaurantes e casas noturnas. Mas ele explica: “existe uma alternativa, extremamente acessível e economizadora para a indústria, um produto auto extinguível e atóxico, ou seja, que não propaga chamas nem emite gases tóxicos”.

O Petfom, produzido e patenteado pela Trisoft, é a evolução da espuma de PU e alternativa viável para enchimento de colchões, estofados e outros produtos.  “Com o Petfom”, explica Maurício, “eliminamos o problema de forma definitiva, e podemos ir além, evitamos que haja queima de colchões em rebeliões que acontecem em presídios, por exemplo. Tudo isso de uma forma sustentável e que favorece o mercado”, enfatiza. A Trisoft também tem o Isosoft, usado para tratamento temo acústico em paredes e forros, e que também tem as mesmas características, tornando as construções e os ambientes mais seguros.

Maurício enfatiza: “constantemente, somos bombardeados por notícias sobre incêndios, recentemente, tivemos um hotel no litoral paulista, que felizmente não teve vítimas. Porém, no caso da Boate Kiss, em Santa Maria, Rio Grande do Sul, que completa 4 anos nesse dia 27 de janeiro, foram mais de 240 mortes, 100% delas, conforme os laudos, por inalação de gases tóxicos e não por queimaduras”. Cohab explica: “nossos produtos, além de serem atóxicos, têm baixíssima densidade ótica de fumaça, o que também facilita a fuga de locais em chamas, ao contrário da fumaça preta e tóxica provocada pela espuma de poliuretano”.

As preocupações da Trisoft são de eliminar o “lixo” do planeta – segundo Cohab, a palavra nem deveria mais existir: “lixo nada mais é do que matérias primas nobres não utilizadas, descartadas ao invés de serem reaproveitadas”, explica – até criar um produto que seja favorável para as empresas, em termos de custo e qualidade e que ofereça inúmeras garantias ao consumidor. Para saber onde está o produto Trisoft e se proteger, em breve será muito fácil: a empresa lançou, em 2016, um selo de qualidade, que estará visível no produto final de seus clientes, como colchões e estofados, e que será a garantia de um produto reciclado, 100% reciclável, que não retém umidade, não prolifera mofo ou bactérias e é atóxico, entre muitas outras qualidades, como não propagar chamas. Os produtos da Trisoft foram testados no IPT e tiveram sua performance comprovada e atendem à norma IT10 do corpo de bombeiros do estado de SP, sendo classificados como IIA, aprovados para uso em qualquer tipo de edificação.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.