Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Rede de supermercados conta como conseguiu faturar 8% a mais que a média nacional

Kid Lisboa 08/12/2016
Kid Lisboa 08/12/2016

A rede SuperPrix é mais um caso de superação no atual quadro de crise econômica e com um detalhe: a estratégia vendedora foi montada por uma mulher, que conseguiu uma forte expansão com bons resultados num ramo dominado pelos homens.

A rede começou na Zona Norte do Rio de Janeiro, com trabalho duro, colheu um crescimento superior a 10% em 2015, quando a média do setor ficou em 2%. Este ano, está completando 18 anos com 13 lojas no Rio de Janeiro e em Niterói e com um e-commerce diferenciado que vem ajudando a fomentar o desenvolvimento da organização.

A empresa tem como base de trabalho o atendimento de qualidade com foco no cliente, fortalecido pelo e-commerce e pelas parcerias feitas com blogueiras que falam diretamente ao consumidor sobre o que a rede oferece. A sócio-fundadora, Viviane Areal, 39 anos, fala sobre a evolução do negócio e de sua visão como mulher empreendedora, num país onde, nos negócios, o machismo ainda fala mais grosso.

Como você se sente como uma mulher de sucesso em um país no qual os negócios são dominados basicamente pelos homens?

Viviane Areal – O mundo supermercadista sempre foi um mundo masculino. Desde que comecei a trabalhar tive que enfrentar este mundo. Mas não me senti confrontada, nem ameaçada com isso. Mostrei minha capacidade e impus o respeito com o meu trabalho.

O supermercado é um ramo pesado, que precisa de muita participação do dono, no caso da dona. Os homens que trabalham junto não atrapalham?

Estou no dia a dia da empresa. Trabalho diretamente na gestão do negócio. Não vejo diferença em trabalhar com homens ou mulheres. O importante é o resultado do negócio. Cada um tem sua particularidade em tratar as questões e temos que aproveitar o que cada um tem de melhor.

Qual foi a sua estratégia de negócio para fazer a empresa ter bom resultado, quando a maioria das demais redes está com desempenho negativo ou crescendo pouco?

Começamos uma grande reestrutu ração no SuperPrix em 2014. Mexemos em todas as áreas. Fomos da base até a operação de cada área. Inovamos em todos os setores. Estamos completando este ciclo agora. Dizemos parcerias estratégicas, elaboramos procedimentos e desenvolvemos planos de carreira para todos os funcionários, desde o caixa da loja até a direção. Com isso nos fortalecemos na base, crescemos nos últimos anos e ainda prevemos uma expansão maior agora, mesmo neste momento de crise.

A rede elegeu o foco no cliente como estratégia de trabalho. Como isso funciona, na prática?

O varejo é por si só um negócio que tem como base um relacionamento com o consumidor. Se você não foca no cliente, não vai ter futuro. Por isso a base do SuperPrix é o atendimento de qualidade com foco no cliente. A conversa direta é um diferencial que foi fortalecida com o e-commerce. Respondemos sempre ao cliente. Não deixamos de atender às demandas e, mesmo não sendo imediatas, damos uma resposta. Um exemplo foi a entrega de água sanitária pelo e-commerce. No início do serviço tivemos uma dificuldade para fazer a entrega de forma segura, então resolvemos, naquele momento, não vender este produto (hoje já encontramos uma solução). Quando uma cliente perguntou por que não tínhamos este produto disponível, fomos sinceros e respondemos que estávamos com dificuldade na entrega segura. A cliente foi ao Facebook elogiar a nossa conduta. Isso é ser transparente.

E a parceria com as blogueiras?

Hoje a rede tem parceria com blogueiras que falam diretamente ao consumidor. Elas podem falar na linguagem que o consumidor está acostumado. Também fechamos uma parceria com conceituada sommelière para dar dicas de bebidas, assim garantimos que as dicas serão bem aceitas. Usamos então o canal, que normalmente é visto apenas como uma ferramenta de vendas para a maioria dos concorrentes, como uma forma de troca e conversa com o usuário. Os resultados estão sendo bastante positivos.

Como trabalha essa equipe?

Hoje o SuperPrix tem duas consultoras especializadas que auxiliam no trabalho do e-commerce. A sommelière Deise Novakoski oferece dicas de vinhos e cervejas especiais em seu site, além de ter uma área de dicas no supermercado. E a blogueira fitness Carol Buffara, que recomenda produtos e receitas para quem deseja uma vida mais saudável no seu Instagram. Estas parcerias com nichos diferenciados alavancam as vendas tanto no e-commerce como nas lojas, mas também ajudam na divulgação nos jornais e no marketing.

A rede divulga que compatibiliza seus negócios na loja com e-commerce. Como um complemente o outro?

Os negócios são completamente complementares. Não são concorrentes. Tratamos o e-commerce como mais uma loja.

O e-commerce do SuperPrix registrou, em 2015, um crescimento médio de 12% ao mês, o que é muita coisa. O comércio eletrônico tende a se tornar o carro-chefe da organização?

Não. As lojas físicas são muito importantes. Ainda existe uma grande massa de consumidores que só compra em loja física. Já temos um público grande de e-commerce, um público migrando para o on-line, mas deixar de contar com as lojas físicas é uma coisa ainda bastante distante. Não temos esse plano.

Qual o diferencial a senhora apontaria em relação às demais redes de supermercados do país?

O SuperPrix é um supermercado de bairro diferenciado, que entrega para o cliente não só os produtos do dia a dia, mas produtos premium, de qualidade. Com isso, o cliente pode fazer suas compras a qualquer hora do dia sem precisar de grandes volumes, sem carregar peso, sem enfrentar filas e ter a liberdade para comprar perto de casa. A rede é referência em alimentos perecíveis de alta qualidade e bebidas especiais importadas e nacionais, reunindo cerca de 1.200 rótulos de cervejas especiais, vinhos e destilados.

Em duas palavras, qual o conselho que daria hoje aos jovens que estão começando no empreendedorismo?

Corram atrás dos seus sonhos. Acreditem e não desistam.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.