Última edição Edição 262 January 2017 Assine

Setor de vendas diretas cresce 19% no ano

redacao 29/10/2010
redacao 29/10/2010

O volume de negócios das vendas diretas subiu 19% e somou R$ 18,56 bilhões no acumulado entre janeiro e setembro de 2010 ante o mesmo período do ano passado. Os dados são do último balanço da Associação Brasileira de Empresas de Vendas Diretas (www.abevd.org.br).

Já, no terceiro trimestre deste ano, o volume de negócios foi de R$ 6,8 bilhões, índice 15,3% maior do que o registrado em igual período de 2009. O setor também oscilou positivamente em indicadores como produtividade, cujo aumento foi de 5,6%, e número de revendedores ativos, que saltou de 2,4 milhões para 2,7 milhões, alta de 12,6%.

Para Paulo Quaglia, presidente da ABEVD, os números confirmam a solidez e a importância do setor para a economia do País. "Sem falar que o aumento constante no número de revendedores cadastrados revela que as vendas diretas cumprem um importante papel social em termos de geração de renda”, completa.

Maior diversidade – O fato de o setor ter se mostrado à prova de crises está promovendo alterações no perfil dos revendedores, consultores e distribuidores que atuam no segmento. “A venda direta tornou-se uma atrativa opção de carreira para estudantes, aposentados e profissionais liberais, além de servir de inspiração para uma parcela cada vez maior de novos empreendedores”, revela Quaglia.

Segundo a WFDSA (World Federation of Direct Selling Associations), o Brasil é o 3º no ranking mundial das vendas diretas, atrás apenas de Estados Unidos e Japão.

Sobre as vendas diretas

As vendas diretas constituem um setor cada vez mais relevante para a economia brasileira, responsável pela contribuição fiscal da comercialização de produtos e serviços realizada por milhões de revendedores autônomos. É composto por empresas de segmentos diversos como cuidados pessoais, suplementos nutricionais, cuidados do lar, serviços e outros.

Também chamadas de vendas por relacionamento, as vendas diretas ocorrem em círculos sociais, fora de estabelecimentos comerciais fixos. Não deve ser confundida com a venda porta a porta, uma vez que esse termo está sujeito a toda sorte de mercadorias, de origem desconhecida, e sobre a qual não se aplicam as diretrizes estabelecidas pelos Códigos de Ética da ABEVD.

O mercado brasileiro de vendas diretas fechou o ano de 2009 com um crescimento de 18,4%, movimentando um volume de R$ 21,8 bilhões.

Sobre a ABEVD

ABEVD é uma associação fundada em 1980 por empresas que buscavam o desenvolvimento do sistema de vendas diretas no Brasil. Atualmente conta com 50 associadas, sendo 28 empresas de vendas diretas, 11 consultores e 11 fornecedores.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.