Última edição Edição 263 March 2017 Assine

Varejo continuará em expansão nos próximos meses, diz IDV

redacao 20/02/2013
redacao 20/02/2013

O IAV-IDV (Índice Antecedente de Vendas) medido pelo IDV (Instituto para Desenvolvimento do Varejo) revelou que o mercado varejista deve continuar em expansão nos próximos meses. A estimativa é que em fevereiro, as vendas apresentem crescimento de 3,2%, na comparação com o mesmo mês de 2012.

Para março, a expectativa é de alta de 6,5%, enquanto para abril é de 9,5%, frente aos mesmo meses do ano interior. O otimismo, segundo o IDV, pode ser explicado pela expansão da rede de lojas.
Setores

Ao analisar os setores, os dados indicam que o de bens não-duráveis deve ter leve alta de 0,4% em fevereiro. Em março e abril, as vendas devem ser melhores, com crescimento de 9,2% e 15,4%, respectivamente. “As despesas das famílias com as festas da Páscoa influenciarão positivamente nas vendas do setor nos meses de março e abril”, explica o presidente do IDV, Flávio Rocha.

Para o setor de bens semiduráveis (vestuário, calçados, livrarias e artigos esportivos), em fevereiro, as vendas devem crescer 8,2% em fevereiro, 8,1% em março e 9,4% em abril. O motivo da alta é a chegada da coleção de outono/inverno nas lojas.

Já para o setor de o setor de bens-duráveis (como móveis, eletrodomésticos, material de construção e outros), a expansão deve ser de 4,5% e 8,1% entre fevereiro e março.

2013

Em relação a expectativa para este ano, O IDV acredita que o varejo deve seguir em expansão, gerando novos empregos e contribuindo para o aumento da atividade econômica em 2013.
“Os números de emprego do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) foram fontes de boas notícias para a conjuntura econômica. A taxa média de desemprego em 2012 ficou em 5,5%, inferior à observada em 2011 e é a menor taxa de toda a série histórica da Pesquisa Mensal de Emprego (PME) iniciada em março de 2002. O varejo estima taxas de crescimentos solidas para 2013 e 2014 baseadas na expansão contínua do crédito e nos bons números de renda e emprego”, conclui Rocha. 

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.