Jaime de Paula

Selecionado pela Endeavor, Jaime de Paula quer sua empresa crescendo 100% ao ano

Por Mônica Pupo 26/03/2014
Por Mônica Pupo 26/03/2014

Dobrar consecutivamente o faturamento nos próximos dois anos. Tarefa relativamente fácil para uma startup, mas nem um pouco para uma empresa com 10 anos de mercado. Este é o desafio que Jaime de Paula coloca para si e colaboradores da Neoway, de Florianópolis. Ousado, mas não impossível, tendo em vista o histórico do empresário – fundador da Paradigma Business Solutions, responsável pela plataforma líder do mercado brasileiro de negócios eletrônicos corporativos e governamentais – e a chancela que recebeu recentemente de uma importante organização internacional. Especializada em soluções de inteligência tecnológica, a catarinense Neoway Business Solutions é a mais nova empresa brasileira a integrar a Endeavor, entidade sem fins lucrativos que tem o objetivo de disseminar a cultura do empreendedorismo de alto impacto.

A empresa teve início em 2002, enquanto o empreendedor, formado em Engenharia Elétrica, concluía o doutorado na Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC). “Na época, eu fazia uma consultoria e, em razão da necessidade experimentada naquele caso específico, vimos que o mercado precisava de uma empresa do tipo que construímos”, relembra. A companhia almeja se tornar referência no Brasil em big data (leia artigo na página 54) , conceito que sistematiza e traz velocidade ao acesso, análise e armazenamento de grandes volumes de dados.

O Sistema de Inteligência de Mercado da Neoway é focado na geração de novos negócios, permitindo que o cliente tenha uma visão mais clara do contexto mercadológico em que está inserido. Na prática, funciona como uma espécie de “Google empresarial”, que faz uma filtragem do mercado cruzando uma infinidade de dados disponíveis na internet, identificando potenciais consumidores/clientes específicos para cada tipo de empresa – tudo isso em questão de segundos. “Funciona como uma grande ferramenta de marketing e vendas, com a vantagem de que as respostas já aparecem geoidentificadas, isto é, a empresa tem a noção exata de onde estão seus potenciais clientes, podendo assim estabelecer estratégias adequadas para atingi-los”, explica Jaime.

A tecnologia é utilizada por gigantes como Deca, Portobello, Banco do Paraná e Atlas. Outro cliente da Neoway é a TOTVS, maior empresa brasileira em sistema de gestão e a sexta maior do mundo. A parceria foi firmada após a participação num evento em Buenos Aires. “Agora também temos clientes nos EUA, principalmente grandes bancos e escritórios de advocacia. O Brasil e, em particular, Santa Catarina estão se tornando polos de software reconhecidos internacionalmente. Com isso, e com o apoio da Endeavor de Nova Iorque e de Miami, nossa entrada no mercado americano se tornou uma coisa natural”, comemora o empresário.

Todos os anos, a Endeavor seleciona empreendedores e empresas criativas, capazes de crescer a taxas superiores aos 20% ao ano. Em cima disso, entram os mentores, que ajudam a identificar problemas e soluções, contribuindo para que o ritmo de evolução da empresa ganhe escala. “O foco é o auxílio estratégico, como o desenvolvimento de marketing, aprimoramento das linhas de produtos mais afinados com os gostos do consumidor e o estabelecimento de métodos mais eficientes de governança”, define Jaime. “Trata-se, na verdade, de um modelo de coaching, um sistema pelo qual os próprios colaboradores da empresa, trocando informações entre si, vão identificando os problemas da empresa e as soluções que podem ser adotadas para cada caso específico.” A entidade não cobra nada pelos serviços que faz, atuando como uma espécie de ONG dedicada ao desenvolvimento do empreendedorismo mundial.

A Neoway presta sua contrapartida para a Endeavor: Jaime atua também como mentor, auxiliando outras empresas a se desenvolverem. Há cerca de um mês, ele ministrou uma palestra na McKinsey, em São Paulo, que é uma das maiores consultorias empresariais do mundo.

Atualmente com 180 colaboradores, a Neoway mantém parcerias diretas com a UFSC, Unisul e outras instituições de ensino superior para recrutar trainees. A empresa aposta num método de trabalho conhecido como stock option, no qual a pessoa entra na empresa como colaborador e, com o tempo, vai adquirindo ações, com a possibilidade de vir a ser um sócio. “É um sistema usado por gigantes como a Microsoft, Google, Apple e outras”, informa o empresário.

Com objetivo de crescer 100% ao ano nos próximos dois anos, a empresa pretende se internacionalizar, a começar pela América Latina, com foco na Colômbia, México e Peru. “São países que estão se desenvolvendo mais rapidamente, com notável estabilidade econômica. O Peru vem se sobressaindo e, no início, estava fora da nossa alça de mira. Mas como vem exibindo indicadores econômicos invejáveis, resolvemos incluí-lo nos nossos planos. É grande o número de investidores que conhecemos, brasileiros e americanos, que estão apostando suas fichas no Peru”, revela Jaime.

Com colaboração de Flávio Cardozo Jr.

Seleção Endeavor

* Para fazer parte deste grupo, o empreendedor passa por um processo seletivo bastante estruturado, que é usado como referência no mercado por alguns dos maiores investidores do Brasil e do mundo. Chega a durar cerca de um ano e consiste, inicialmente, em uma análise profunda da empresa e dos empreendedores, guiada pelos mentores da Endeavor.

* Na etapa seguinte, os empreendedores apresentam seus negócios para o conselho da Endeavor, formado por nomes como Beto Sicupira, Jorge Paulo Lemann e Emilio Odebrecht, entre outros de grande expressão. Por fim, os candidatos são submetidos a uma etapa internacional, em que são avaliados por mentores de diferentes lugares do mundo. Em 2012, foram analisadas mais de 3 mil empresas, e apenas 14 foram selecionadas.

* Aos selecionados, o apoio se dá principalmente por meio da experiência transmitida por grandes executivos, que atuam como mentores estratégicos da Endeavor, e do gerenciamento dos processos internos a fim de acelerar o crescimento da empresa. No Brasil desde o ano 2000, a entidade apoia mais de 50 empresas nacionais, nos mais variados segmentos: TI; Bens de Consumo; Mídia; Indústria e Construção; Saúde; entre outros. A qualificação dos mentores e o acesso a este ambiente de networking diferenciado são os principais ativos que estamos conquistando. Quando que poderíamos contar com a experiência e os conselhos de grandes empresários como o Laércio Consentino (TOTVS) e Martín Escobari (General Atlantic), só a Endeavor nos proporcionará isso”, ressalta de Jaime de Paula.