Marcel Malczewski e Wolney Betiol

Bematech revolucionou automação comercial no Brasil e busca sucesso no exterior

Por Mônica Pupo 22/04/2014
Por Mônica Pupo 22/04/2014

Cerca de 1 mil funcionários trabalham nas diversas unidades da empresa no Brasil e no exteriorCom sede em Curitiba, a Bematech possui uma história que mais parece saída das páginas de um livro de gestão empresarial. Da incubadora à Bovespa, a empresa não mediu esforços em inovação, transformando-se em líder no mercado de soluções de tecnologia para o varejo e setor hoteleiro. Hoje, a companhia está presente em aproximadamente 500 mil estabelecimentos comerciais no Brasil e no exterior, além de somar quatro centros de excelência em P&D e aproximadamente mil colaboradores que atuam no Brasil, China, Taiwan, EUA, Argentina, Chile e Portugal.

A trajetória da companhia teve início em 1987, quando os engenheiros eletrônicos Marcel Malczewski e Wolney Betiol ingressaram no curso de pós-graduação onde desenvolveram dois trabalhos de dissertação relacionados a sistemas de impressão matricial por impacto. A partir disso, decidiram transformar o projeto em um empreendimento, com o objetivo de obter um produto capaz de ser industrializado e comercializado em escala. A ideia passou a se concretizar a partir do momento em que os empreendedores tiveram o projeto aceito como o primeiro empreendimento da então recém-fundada Incubadora Tecnológica de Curitiba, em 1989. “Eu e o Wolney começamos a trabalhar juntos, com outros dois colegas de mestrado, em um projeto relacionado a impressoras no Curso de Pós-Graduação em Informática Industrial. Dos quatro integrantes daquela equipe de projeto, restamos nós dois e continuamos trabalhando juntos em tecnologia de impressão até decidirmos montar um empreendimento”, relembra Malczewski.

No ano seguinte, foi lançada oficialmente a Bematec, empresa especializada no mercado de impressoras matriciais. Em 1991, após várias negativas por parte dos órgãos nacionais no sentido de estimular o desenvolvimento tecnológico e industrial, a então recém-criada empresa valeu-se da ajuda da iniciativa privada em busca de recursos financeiros, admitindo seis novos sócios. Poucos meses depois, ainda em 1991, a companhia ganhava um nome e status, passando a se chamar Bematech Indústria e Comércio de Equipamentos Eletrônicos S/A.

A partir daí, a empresa não parou mais de crescer, assim como o portfólio de produtos, que foi se diversificando pouco a pouco. Após identificar no mercado a tendência à modularização de automação bancária, a Bematech deu início ao seu projeto de mini-impressora, transformando-se na primeira empresa brasileira a fabricar mini-impressoras em larga escala e a primeira a fornecer blocos impressores integrados para terminais de autoatendimento.

A abertura da filial em São Paulo, em 1995, foi uma das estratégias adotadas para expandir a atuação comercial da empresa. De olho na ampliação dos canais de venda, a Bematech passou a ofertar seus periféricos de Tecnologia para Varejo a distribuidores que anteriormente já revendiam ou agenciavam vendas de mini-impressoras. Ao mesmo tempo, a empresa homologou outro importante produto – a impressora fiscal – adentrando em um novo e promissor nicho de mercado.

Outro produto inovador lançado pela empresa foi o bloco impressor com tecnologia de impressão térmica, o primeiro do gênero no Brasil. Em 1998, a companhia vendeu 10 mil destes blocos somente para a Itautec. “Estima-se que, dos 50 mil checkouts instalados no Brasil (PDVs Fiscais, PDCs não-fiscais e caixas registradoras), 35% das impressoras desses PDVs foram fabricadas pela Bematech”, aponta Malczewski.

O ápice do crescimento foi entre os anos de 1999 e 2000, quando ocorreu uma explosão nas vendas de impressoras fiscais no País, motivadas pela obrigatoriedade da lei de cupom fiscal. Neste período, a Bematech atingiu seu ápice de faturamento, alcançando a marca de R$ 63 milhões em 2000. No mesmo ano, a empresa deu início à reformulação do estatuto comercial e do acordo de acionistas para adaptá-lo às regras do novo mercado da Bovespa.

Outro importante passo foi dado em 2001, com a primeira exportação de blocos matriciais para Bematech International, em Atlanta, nos Estados Unidos. “O desenvolvimento de algo novo é um processo individual que exige foco, extrema dedicação e tempo. Nem sempre isso está disponível. Ter uma ideia é apenas parte do processo, mas transformar essa ideia em algo que pode ser produzido e vendido em escala é extremamente trabalhoso e exige muita dedicação”, ensina Marcel.

De olho na importância da capacitação profissional, foi criada em 2003 a Universidade Bematech, que consiste num modelo de gestão de treinamento corporativo com a missão de “promover a gestão do conhecimento e o desenvolvimento do capital intelectual através da capacitação contínua e inovadora dos parceiros comerciais, clientes, fornecedores e funcionários, visando o crescimento dos negócios e das competências.”

A Universidade disponibiliza apoio técnico e comercial para os canais de vendas da empresa espalhados por todo o País, oferecendo um Programa de Certificação Profissional que é baseado no modelo típico do segmento de tecnologia, onde são disponibilizados treinamentos presenciais e não presenciais (web) vinculados a provas no formato de certificação presencial e acreditação. “Nas unidades da Bematech, salas de aulas preparadas estão à disposição para capacitação dos usuários. Possuímos também instrutores para treinamentos presenciais em campo, bem como disponibilizamos ferramentas e tecnologia para que o conhecimento chegue até os canais mais distantes dos grandes centros comerciais.”

De São Paulo para o restante do Brasil foi questão de tempo: em 2005, a Bematech investiu em outras nove filiais para atender todas as regiões do País, com foco nas soluções em automação comercial, distribuindo conjuntos de equipamentos completos para os pontos de venda, serviços de assistência técnica e sistemas de gestão.

A aquisição de outras empresas do ramo também ajudou a fortalecer a atuação da Bematech no mercado. Somente em 2006 foram adquiridas duas empresas de renome: a GSR7, voltada à prestação de serviços de assistência técnica para equipamentos de informática; e a

Gemco, companhia líder no fornecimento de software de gestão de empresa comercial. Além destas, a empresa adquiriu posteriormente a W2M, provedora de soluções em aplicativos para varejo; a Logic Controls, companhia americana especializada no desenvolvimento de equipamentos em automação comercial para o segmento hoteleiro; as brasileiras MisterChef e Snack Control, líderes no mercado de serviços de alimentação e, por fim, adquiriu parte do controle da CMNet, líder em sistemas de gestão para hotéis.

A expansão internacional foi uma consequência e culminou com a inauguração oficial da subsidiária em Buenos Aires, na Argentina, em 2007. Mas a América do Sul não foi o único alvo: no mesmo período, a empresa inaugurou a Bematech Europe GmbH, com sede em Berlim, na Alemanha, disposta a intensificar canais de venda na Europa. A abertura do capital e o ingresso no pregão da Bovespa aconteceram na sequência, melhorando o acesso a recursos para financiar a continuidade do seu crescimento.

Já no ano passado, iniciou o processo para tornar a empresa uma organização mais voltada ao mercado. Adquiriu os 49% restantes da CMNet e deu continuidade à estratégia de ofertar soluções completas ao varejo, primando sempre pela inovação e tecnologia. O ano também marcou a melhoria da rentabilidade da companhia e alta no valor de suas ações.

Os planos para o futuro incluem avançar no mercado externo. “Pretendemos conquistar em outros países a mesma força que permitiu à empresa crescer aqui no Brasil: a força da confiança que os clientes depositam nos produtos Bematech”, afirma Malczewski.