Startups e PMEs: como essa parceria pode ajudar a movimentar a economia

*Por Ana Paula Debiazi, CEO da Leonora Ventures, e Jaime de Souza, CEO da Street Sales 

O Brasil é o país do empreendedorismo, dados recentes do SEBRAE apontam 99% das empresas no país categorizadas como Pequenas e Médias Empresas (PMEs). Quando falamos de startups, organizações inovadoras, nascidas no digital, os números também são expressivos. Segundo a Associação Brasileira de Startups, temos mais de 12,7 mil delas por aqui.

Ao juntar essas duas forças dos negócios, temos um exemplo de como essa união pode impactar positivamente a economia. As startups que ajudam PMEs contribuem para promover inovação, facilitar o acesso a capital, melhorar a produtividade e impulsionar o crescimento econômico local.

O mercado está cada vez mais atento às PMEs devido ao seu potencial de crescimento e adaptação ágil às mudanças. Entretanto, essas empresas enfrentam alguns desafios, principalmente na busca por investimentos. Neste ponto, as startups têm muito a contribuir, já que contam com experiência em captação de recursos, podendo oferecer acesso a financiamentos direcionados e rede de contatos.

Outros obstáculos enfrentados pelas PMEs incluem concorrência, regulação, escala e aquisição de clientes. Para superá-los, os empreendedores do mundo digital devem desenvolver um projeto personalizado, que visa buscar estratégias de marketing direcionadas, conformidade regulatória, parcerias estratégicas e foco na inovação e na entrega de valor.

É preciso enfatizar, o processo de criação de um produto ou serviço para Pequenas e Médias Empresas é diferente dos outros. O desafio está justamente na criação de projetos criativos, com orçamentos limitados, necessidades específicas e decisões de compra ágeis, nada tão difícil para as talentosas startups brasileiras. É crucial oferecer soluções acessíveis, fáceis de usar e que resolvam problemas imediatos das empresas. O processo de criação deve ser focado na simplicidade e na entrega de valor rápido.

Compreender qual o core business de cada PME é fundamental para o sucesso no desenvolvimento de produtos e soluções para esse mercado. Além disso, é preciso oferecer soluções escaláveis, adaptáveis e de fácil manutenção, pois as empresas podem crescer rapidamente. Manter uma colaboração próxima também é indicado para obter feedbacks em tempo real e conseguir ajustar os processos. A flexibilidade na estratégia de preços, oferecer planos mensais ou anuais, pode ser uma vantagem competitiva ao atender PMEs com diferentes modelos de negócio.

A parceria entre startups e PMEs não apenas alimenta a inovação, a eficiência e a competitividade no cenário empresarial, como fortalece as bases da economia brasileira, estimulando o crescimento sustentável e a geração de empregos. À medida que essas empresas continuam a trabalhar juntas, compartilhando conhecimento, recursos e visão de mundo, podemos esperar um futuro econômico positivo e um mercado mais dinâmico.

*Ana Debiazi é CEO da Leonora Ventures, uma corporate venture builder catarinense que tem a missão de impulsionar o crescimento de startups que atuam com tecnologias inovadoras no setor de varejo, logística e educação em coautoria de Jaime de Souza, CEO da Street Sales, sistema de gestão empresarial online desenvolvido e pensando para os pequenos e médios empresários

Facebook
Twitter
LinkedIn

Você também vai gostar de: