Comece a gostar do “não”

Marcelo Ponzoni 05/12/2014
Marcelo Ponzoni 05/12/2014

O grande anseio de todos nós é ouvir o sim , mas, para cada sim, a média de nãos chega a 30 vezes – isso quando co­locado de maneira geral, e para todos os assuntos que nos rodeiam. Há uma gran­de resistência mesmo à possibilidade de receber um não – e esta pode ser uma das maiores falhas do ser humano.

Refiro-me aqui principalmente àque­le não que se relaciona ao fato de não gostar de ser contrariado, de não gostar de assumir os erros, de não reagir positi­vamente às críticas, em especial àquelas que nos agridem, mas que, na maioria das vezes, têm um fundo de verdade.

O não, tenho de convir, é péssimo. Não conheço ninguém que goste dele e acredito mesmo que nossa resistên­cia a ele já vem da infância – aliás, esta é uma das palavras mais proferidas por nossos pais. Contudo, sem ele não te­ríamos limites nem questionamentos, não iríamos parar para repensar posi­ções, nem daríamos a importância real ao valor do sim.

As reações ao não costumam variar de pessoa para pessoa, mas, dentro do grupo, nosso comportamento é avaliado pela referência estabelecida principalmente pela liderança e por todos os que expressam capacidades de liderança – aqueles que são queri­dos dentro dos grupos. Assim, todo e qualquer comportamento que esteja fora dos padrões que o próprio gru­po estabeleceu acaba sendo visto com maus olhos, provocando, dessa forma, algumas percepções que, com certeza, não são aquelas que a pessoa pensou ter gerado. Como, quando logo que proferida, a palavra não causa nas pes­soas uma resistência natural, tanto das lideranças quanto dos grupos, deve haver um grande esforço para que seja criada uma cultura onde o não, em vez de resistência, desencadeie reação de atenção: ou de procurar repensar nos­sas próprias atitudes ou de procurar tentar ouvir as razões do outro.

Esse é um assunto que eu considero dos mais importantes na formação, na conduta, na percepção e na construção pessoal e cor­porativa de uma pessoa, por isso, embora não goste de dar conselho, a mensagem que deixo para reflexão é a seguinte: Comece a gostar do não e preste muita atenção às suas reações diante dele. Porque no não mora uma das maiores fontes de aprendizado.