O símbolo infinito do 8, o dia 8 histórico e a infinita insensatez sobre as vacinas

 

 

Quem escreve numa folha de papel o número 8, pode repetir esse gesto para sempre, sobre esse mesmo número. São pontos que se formam numa linha e mesmo com as curvas, não tem interrupção, é constante. Por isso o número 8 é o símbolo do infinito.

No dia 8 de dezembro de 2020, a senhora britânica Margaret Keerman, aos 90 anos, se não tornou a sua vida infinita, pelo menos se fortaleceu e se imunizou contra o vírus que começava a matar milhares de pessoas em diferentes países. Foi ela que tomou a primeira vacina no mundo contra o coronavírus, em um hospital em Coventry, na região central da Inglaterra.  No mesmo dia 8, agora de dezembro de 2021, o mundo alcançou a marca de 8 bilhões de vacinados.

No mesmo dia 8 de dezembro deste ano, o presidente Jair Bolsonaro ao comentar o surgimento da nova variante da pandemia, a Ômicron, recorreu ao seu ardiloso receituário. “A Anvisa quer fechar o espaço aéreo por causa desse novo vírus. De novo, porra”, sentenciou.

Na verdade, a Anvisa, que pertence ao Governo e que realiza um eficiente trabalho de acompanhamento da pandemia e libera a utilização de remédios e as próprias vacinas, apenas sugeriu que cada estrangeiro ao chegar ao Brasil apresente o atestado que está imunizado, como diferentes países hoje exigem na entrada de cada brasileiro.

Desde do início e mesmo antes, a aplicação das vacinas não conteve apenas o componente vital, que deveria ser único, para a proteção física individual e coletiva. Recebeu também ingredientes políticos. O próprio presidente da República disse que quem tomasse a “vachina” iria se transformar num jacaré.

Tomar a vacina e ter o atestado se confunde agora com liberdade de expressão e conduta, quando na verdade se deferia pensar no bem e segurança de todos. Só assim, de forma rápida, se vai ativar toda a economia, com liberdade de ir e vir em todos os locais, com a volta das viagens e dos eventos que tanto fazem falta.

Apesar de todos os percalços, o Brasil vai dar um exemplo para o mundo de como combateu essa pandemia do século.  Mesmo com um número expressivo de mortes, mais de 616 mil brasileiros, em grande parte devido ao atraso na compra de vacinas por parte do governo federal, o Brasil é um dos poucos países no mundo que tem a experiência e a estrutura nacional para executar diferentes programas de vacinação, num legado de mais de 100 anos, que ganhou fôlego com o jovem sanitarista Oswaldo Cruz que combateu, erradicou (com exigência do atestado) a pandemia da varíola. Desde o início deste ano, o Brasil já possibilitou a vacinação de 75% da população com a primeira dose (160 milhões de brasileiros). A segunda dose já chegou a 139 milhões de pessoas e a terceira dose a 22 milhões.

Mas no prontuário médico do dia 8 de dezembro deste ano fica registrado para sempre uma conduta profissional, no mínimo infeliz, mas que também pode ser classificada como criminosa. O próprio ministro da Saúde do Brasil, o cardiologista Marcelo Queiroga, ao se referir ao atestado de vacina disse que “muitas vezes é preferível morrer do que perder a liberdade”. Com essa frase, ele não apenas findou seu compromisso médico com a saúde das pessoas, mas também mostrou como pode ser infinita a insensatez sobre as vacinas.

 

Acari Amorim

Acari Amorim

Jornalista com larga experiência profissional.Foi repórter especial da Veja, editor de economia no O Globo, no Rio de Janeiro. Também integrou equipe de editores dos jornais da RBS. Fundador e diretor geral da Empreendedor

Ver todos os artigos
Facebook
Twitter
LinkedIn