O DNA das franquias é expandir

O presidente da ABF, André Frieheim, aposta na regionalização e internacionalização do franchising brasileiro

Redação 29/07/2019
Redação 29/07/2019

O presidente da ABF, André Frieheim, acredita na expansão acima de dois dígitos do sistema de franquias com a abertura de lojas físicas em um maior número de municípios brasileiros, devido à bem provável recuperação da economia brasileira e pelo apoio e incentivo da ABF a uma maior regionalização e internacionalização das marcas brasileiras. André tem uma experiência de 30 anos neste mercado, pois entrou como estagiário na empresa de consultoria Francap e hoje é dono, além de master franqueado das redes Café do Ponto e Casa Pilão. Ele acredita que o faturamento de todas as redes e unidades de franquias alcance, este ano, um crescimento de 10%, com um incremento do número de emprego da ordem de 5%.

O sistema de franquias no Brasil representa atualmente 2,5% do PIB (Produto Interno Bruto) do país, emprega diretamente 1,2 milhão de trabalhadores e cerca de 5 milhões indiretamente. O faturamento anual total das redes de franquias deverá alcançar já este ano ou no próximo R$ 200 bilhões.

A ABF acaba de organizar uma das três maiores feiras de franquias do mundo. A deste ano, realizada entre os dias 26 a 29 de junho, no Expo Center Norte, em São Paulo, contou com a presença de 65 mil empreendedores e a participação de mais 400 redes de franquias em operação no Brasil e em diferentes países do mundo.

Até que ponto a crise econômica, que ainda persiste, afetou as redes e as unidades de franquias pelo país?

Andre Frieherim – As redes de franquias suportaram bem a crise dos últimos anos. Com a crise, o desemprego aumentou e muitas pessoas partiram para empreender, por “necessidade”, para resolver o desemprego. Nisso a opção pela franquia de uma marca é um caminho mais curto e seguro. Mas, na crise, também muitas pessoas percebem uma oportunidade e investem no sistema de franquia.

Quais as redes de franquias que têm potencial de crescimento no momento?

Alimentação, Educação e Treinamento, Saúde, Beleza e Estética e Serviços. São essas redes de franquias que mantêm o maior potencial de crescimento nos próximos anos, como ocorreu nos últimos anos. No entanto, a área de turismo, lazer, entretenimento e gastronomia ganha mais espaços nas redes de franquias.

As lojas físicas, através do sistema de franquia, cobre hoje 45% do território nacional, entre todos os municípios brasileiros. Será possível aumentar essa participação nos próximos anos?

Hoje o sistema de franquia cobre 45% do território Nacional com lojas físicas. Isso é uma capilaridade já muito grande e interessante. As redes de franquias estão nos 500 shoppings espalhados pelo país inteiro. Mas se for considerado o e-comerce, as vendas pela Internet, e as lojas multimarcas, a cobertura por unidades de franquias alcança 90% do território nacional. Na junção de esforços e iniciativas que estamos incrementando na ABF queremos chegar, no mínino, já no próximo ano, a 50% do território brasileiro com lojas físicas de redes de franquias.

Na avaliação da ABF, qual o melhor perfil para quem quer comandar uma rede de franquia?

O franqueador tem que ter uma estrutura para atender toda a sua rede. Precisa capacitar essa rede para atender bem aos clientes, consumidores, dentro do padrão dos seus produtos e serviços.

Entre os franqueados, qual é o melhor perfil?

O franqueado precisa, em primeiro lugar, gostar do que faz a rede. Se alguém não gosta de cozinhar, do calor de uma cozinha, se não quer nunca ter de trabalhar sábado e domingo, não deve assumir uma rede de alimentação. Muito importante também é que o franqueado siga o padrão da marca, do produto, dos serviços e atendimento definido pela rede. Também é muito importante que cada franqueado compartilhe com os outros franqueados as suas experiências positivas na gestão e nos resultados obtidos. Isso acaba fortalecendo toda a rede.

A regionalização é uma vertente para o aumento das redes no Brasil?

A regionalização das redes de franquias aumenta a cada ano no Brasil. Está no DNA do sistema exportar, se expandir no número de lojas em regiões dentro do Brasil e em diferentes países. Esse é o caminho natural para aumentar as vendas e obter um lucro maior.

Essa expansão também alcança o mercado internacional?

Sem dúvida. Hoje já temos 145 marcas brasileiras presentes em 114 países. Crescer no mercado internacional é uma das principais metas de redes bem estruturadas, com boa experiência no mercado brasileiro. Em diferentes países existem oportunidades de expansão de redes brasileiras. O mercado americano é uma boa referência da expansão internacional. Em 2017, foram criadas 200 novas unidades nos Estados Unidos. Já as redes americanas criaram em outros países, neste mesmo ano, 11 mil novas unidades. Ampliar a participação das marcas brasileiras no exterior é uma das principais ações da ABF. Queremos reconhecer e saber das marcas nacionais que estão liderando franchising no exterior, o que é uma forma de estimular essas e outras redes a vencerem o desafio da internacionalização.