Perdeu o emprego e quer virar o jogo? Que tal abrir uma franquia home office

Bruno Bronetta 15/02/2020
Bruno Bronetta 15/02/2020

O ano de 2020 começou com a notícia positiva da queda da taxa de desemprego em 11%, isso significa que das quase 13 milhões de pessoas sem uma ocupação, cerca de 200 mil encontraram uma oportunidade. No entanto, ainda temos um grande desafio pela frente, pois, segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT) não há uma previsão acelerada para a diminuição desse indicador. Pelo contrário, a expectativa é que o Brasil mantenha o desemprego elevado nos próximos cinco anos.

Se para um fato não há argumentos, eu prefiro pensar que há atitudes a serem tomadas para virar o jogo. Uma delas é olhar para o cenário e entender que o mercado de trabalho no Brasil e no mundo sofre drásticas mudanças. Enquanto uns podem achar que vivemos a precarização do trabalho, outros enxergam oportunidades para dar uma guinada na carreira, na profissão e na vida e tornam-se empreendedores.

Não entendo como demérito o fato de fazer a mudança de chave após a perda do emprego. Afinal, quem decide empreender com sucesso e de forma profissional geralmente não age assim apenas por falta de opção, e sim depois de uma transformação de mind set, um sentimento legítimo de fazer acontecer e dirigir a própria história. E, entre as várias decisões que um profissional pode tomar nesse momento, uma delas eu destaco: abrir o próprio negócio em modelo de franquia home office.

Esse modelo traz uma série de benefícios, como fazer autogestão do tempo e trabalhar em casa, possibilitando a combinação da vida familiar e profissional, e muito mais do que isso, no geral, dispensa um investimento em estoque, ponto de venda, e gestão de um número maior de funcionários. Por isso, é uma alternativa bastante adequada para quem está iniciando no empreendedorismo.

O sucesso do negócio depende da única e exclusiva dedicação e foco do futuro empreendedor, mas também de um precioso estudo sobre a área de atuação da franquia home office, pois é preciso aptidão; segurança quanto ao valor de investimento inicial – e sim, há opções muito atraentes que inclusive necessitam mais da rede de relacionamento do futuro franqueado do que seus conhecimentos prévios em gestão e administração; estar ciente do tempo para o payback entre outros fatores de extrema importância ligados ao dia a dia do negócio.

Não à toa, de acordo com a Pesquisa Trimestral de Desempenho do Setor de Franquias realizada pela Associação Brasileira de Franchising (ABF), o setor segue em ritmo acelerado de expansão. Só no primeiro trimestre de 2019, acumulou um crescimento nominal de 7%, 1,9% acima do mesmo período do ano anterior e eu arriscaria dizer que para 2020 o desempenho continuará positivo, se é que não se dará em ritmo acelerado, sendo a primeira opção para todos aqueles que buscam crescimento pessoal e financeiro.

*Bruno Bronetta é CEO do Grupo TSValle, uma rede de franquias voltada a linhas de Seguros, Consórcio e Linhas Financeiras. Ele é um ex-jogador de futebol. Em 2014, enquanto participava da negociação de um contrato para jogar em um time na Bulgária, resolveu dar uma força na corretora de seguros do sogro Angel Silva, a TSValle. Em seis meses, ele conseguiu dobrar a quantidade de clientes da empresa, passando de 40 para 80, e em 2016 já tinha 250 clientes. Para expandir, a TSValle apostou em escalonar o crescimento da marca e deu início à formatação do modelo de negócio para convertê-la em uma rede de franquia. A rede de franquia TSValle atualmente possui 26 franqueados distribuídos nos estados de São Paulo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Alagoas. O modelo de negócios da rede é de microfranquias em formato home office com investimento inicial de R$ 8.900,00, que pode ser parcelado em até 10 vezes. O custo mensal de manutenção de cada unidade franqueada é de R$400,00, que correspondem à taxa de marketing, acesso ao sistema de gestão e prospecção de clientes. O retorno do investimento inicial (payback) dos franqueados da rede TSValle ocorre em média aos 07 meses de operação, sendo o prazo máximo de 12 meses – um terço do contrato de 03 meses de cada unidade franqueada.

A rede de franquia oferece treinamento presencial e online a todos os franqueados, não sendo necessário ter experiência na área para atuar na rede.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.