Agrotech saltou de 2 para quase 200 milhões de reais em volume de vendas

insumo agrícola

A paranaense Insumo Agrícola, que surgiu em 2020 e hoje conta com 1500 produtores cadastrados e mais de 500 revendedores de fertilizantes, espera fechar 2022 com R$ 800 milhões em GMV

A guerra da Rússia contra a Ucrânia vem fortalecendo uma tendência que, no agronegócio, já ocorria gradativamente: a digitalização na comercialização de insumos, os elementos primordiais para a produção agrícola. Prova disso são os números de procura pela Insumo Agrícola, empresa 100% nacional e digital que surgiu em 2020 trazendo ao mercado nacional soluções on-line que tornam o agronegócio mais dinâmico e descomplicado, e que, em menos de três meses, viu seu volume de busca dobrar. Entregando potencial de venda para o mercado de R$ 1.981.000,00 para quase R$ 200 milhões.

Se no fim do ano passado a situação já estava boa para a agrotech (startup do agro), que atualmente tem em seu portfólio 1.500 produtores cadastrados e mais de 500 revendedores de fertilizantes, por encerrar dezembro de 2021 com um Gross Merchandise Volume – Volume Bruto de Mercadorias (GMV) de R$ 1.981.00,00, na sequência, em janeiro, ela entrou o ano com o pé direito e esse número saltou para R$ 9.937.936,25. Em fevereiro, foi para R$ 11.455.910,00; e em março, o grande salto, com o apontamento de R$ 88.607.883,42.

Então, se no ano passado a Insumo registrou R$ 25 milhões de GMV, gerado pela conexão entre produtores e revendas, a expectativa é encerrar este ano com valores audaciosos, na faixa de R$ 800 milhões ou mais, consolidando-se como a maior plataforma on-line de contratação de fornecedores de insumos do Brasil e da América Latina.

A expectativa mostra uma tendência irreversível, de empoderamento das agrotechs, sendo que o número delas chegou a 1.574, segundo o Radar Agtech Brasil 2020/2021, que mostrou uma ampliação de 40% em comparação ao ano de 2019. O levantamento foi elaborado em parceria com a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), a SP Ventures e a Homo Ludens Research & Consulting, com o apoio do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA).

O setor de insumos agrícolas representa cerca 3,5% do PIB (Produto Interno Bruto) do Brasil, de acordo com o Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade), e é fundamental nos mercados de sementes, defensivos agrícolas, fertilizantes, máquinas e implementos agrícolas. “Sabendo disso, iniciamos as nossas atividades para ofertar uma visão mais liberta ao produtor brasileiro, que, ao aderir a uma solução inteligente que conecta revendedores a fabricantes, tem a chance de comprar e vender insumos de forma menos burocrática e trabalhosa, estreitando, assim, os laços entre os fornecedores e o campo”, explica o CEO da empresa, Luca Lachica.

SAIBA MAIS – A Insumo Agrícola dispõe de uma plataforma completa e inovadora que conecta os principais players do segmento agro, de Norte a Sul do país, revolucionando e modernizando a forma de comercialização dos insumos, representando uma alternativa para a escassez de fertilizantes que interfere diretamente nos custos da produção e reflete, também, no preço do produto final, gerando mais inflação.

Facebook
Twitter
LinkedIn

Você também vai gostar de: