Alunos da Rocinha aprendem a formalizar seu negócio

Redação 11/06/2019
Redação 11/06/2019

São jovens, adultos e idosos que buscam aprender uma nova ocupação ou mesmo a sua primeira profissão, em meio a diversos desafios, com filhos nos braços, dificuldades financeiras, mas muita vontade de aprender. Os 150 alunos capacitados pelo Projeto A Arte Gerando Renda, na Rocinha, tiveram uma oportunidade e tanto no final de maio: Um dia de empreendedorismo, com palestras gratuitas de profissionais do escritório Kasznar Leonardos, patrocinador do projeto, sobre como se preparar para o mercado de trabalho e aspectos jurídicos e de mercado para abrir um novo negócio.

A procura pelos cursos é grande: as 150 vagas abertas em abril se esgotaram em menos de duas horas. Com 300 vagas no total, o curso foi dividido em dois módulos, cada um com 10 semanas de duração. A outra turma de 150 alunos começou no final de maio e, em julho, será agendado mais um dia de palestras sobre empreendedorismo, que são abertas ao público em geral.

A maquiadora Alexandra Leite, de 22 anos, é microempreendedora individual (MEI) e descobriu no dia das palestras que precisava fazer sua primeira declaração de Imposto de Renda. “Eu só pagava o imposto mensal do MEI, não sabia que precisava declarar. Ainda bem que descobri a tempo”, revela Alexandra, que aprendeu sua profissão no A Arte Gerando Renda e, agora, será professora do projeto no próximo semestre.

Diretor de startups e inovação do Kasznar Leonardos, Felipe Monteiro recomenda começar como MEI, porque fornece ao empreendedor iniciante um Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ) para poder emitir notas fiscais. “É Preciso formalizar o negócio porque garante benefícios, como a previdência, e alguns clientes só vão contratar quem emite nota fiscal”, destaca.

Rosangela Pereira, de 57 anos, já está colocando em prática o que aprendeu nas palestras, como as dicas para melhorar a logística do seu negócio e a forma de apresentação do seu trabalho para as empresas. Ela fez o curso de maquiagem artística duas vezes pelo projeto e, quando terminou, foi procurar estágio da Cidade do Samba. “A União da Ilha foi a primeira a me dar oportunidade. Eu precisava praticar, aprender com quem sabia!”, conta Rosangela, que foi responsável por unir 35 maquiadoras na mesma equipe que hoje presta serviços para o Carnaval carioca.

“Vocês precisam estar sempre se atualizando, se reinventando. Nunca se acomodem, sempre se reinventem, se especializem”, incentivou a gerente de RH do Kasznar Leonardos, Clarissa Frossard, que é a favor do planejamento financeiro desde o início do negócio e dá dicas: “quando a gente vê que nosso planejamento vai furar, tem que ascender uma luz amarela e já mandar uma mensagem para a cliente, perguntar se está precisando do serviço, fazer uma promoção”.

Em julho, os cursos do projeto serão realizados em Coelho Neto e na Cidade de Deus, com a abertura de novas inscrições para mais 600 alunos. Há capacitação em Fantasias e Adereços, Maquiagem Social, Maquiagem Artística, Unhas Decoradas, Artesanato, além de Turbantes e Tranças afro. É possível acompanhar as próximas palestras e novas turmas pelas notícias do site da ONG Favela Mundo, que é gestora do projeto A Arte Gerando Renda (www.favelamundo.org.br/).

Dentre os principais cuidados para se iniciar uma empresa, o escritório Kasznar Leonardos aconselha: escolher um negócio com o qual tenha afinidade; buscar um diferencial em relação à concorrência; entender o mercado no qual está inserido; proteger a marca, a tecnologia desenvolvida e os serviços realizados; se preparar para o pagamento de impostos; ter uma conta pessoal e outra separada da empresa.

O Projeto A Arte Gerando Renda – indicado ao Prêmio Marketing Best de Sustentabilidade 2015 – foi criado para gerar oportunidades para moradores de favelas que têm acesso a escolas de samba e muita vontade de trabalhar com arte. Cada curso têm a duração de 10 semanas, com aulas semanais. Ao final, os participantes são certificados e podem estagiar em barracões de escolas de samba ou em produções teatrais. Os formandos de 2017 tiveram a oportunidade de trabalhar nos desfiles da Mangueira, Salgueiro e Beija-Flor em 2018.

Sobre Kasznar Leonardos

Reconhecidos pela experiência e pela excelência na prestação de serviços em todas as áreas da Propriedade Intelectual (PI), os profissionais do Kasznar Leonardos atuam como assessores jurídicos em questões contratuais, agentes da propriedade industrial perante o INPI e advogados, árbitros e mediadores em questões de contencioso judicial e extrajudicial. São 21 sócios e mais de 200 profissionais em três cidades: Rio de Janeiro, São Paulo e Porto Alegre.

O atendimento é único e personalizado, com a criação de soluções inovadoras para os clientes. A equipe é multidisciplinar, altamente qualificada, dividida entre engenheiros, biólogos, farmacêuticos, médicos, advogados, entre outros. Essa é uma vantagem competitiva do escritório que proporciona capacidade mais apurada de análise e busca por soluções específicas para cada caso.