Como minha dificuldade em conseguir empréstimo motivou a criação da Mutual, fintech de crédito

Leonardo Rebitte 09/11/2019
Leonardo Rebitte 09/11/2019

O ano era 2015 e eu precisei levantar R$ 10 mil para arcar com os custos do parto da minha filha. O banco do qual eu era correntista, surpreendentemente, não aprovou meu pedido de empréstimo e o pior, não me explicou o motivo da negativa. Para mim, foi uma decepção, afinal eu já era cliente há alguns anos, estava com o nome limpo, empregado e com uma boa renda.

Fiquei pensando quantas pessoas estariam na mesma situação que eu? Tive de contar com a ajuda de amigos e, neste momento, percebi que existia a oportunidade de criar uma plataforma que facilitasse essa conexão.

Então, resolvi estudar para saber como criar uma forma de pessoas emprestarem dinheiro a outras, dentro da Lei. Não foi fácil, mas o plano era ajudar quem estava na mesma situação pela qual eu passei.

Anteriormente, eu já havia empreendido em outras duas startups. Dessa vez, o maior desafio foi obter o conhecimento necessário para atuar em um mercado que, por quase 100 anos, foi dominado pelos grandes bancos.

Hoje, me sinto muito orgulhoso da Mutual, que foi criada para revolucionar o mercado de crédito. Operando desde fevereiro de 2018, já viabilizamos o empréstimo de mais de R$ 12 milhões em nossa plataforma, totalizando mais de 7 mil pedidos atendidos. Agora, queremos dobrar os empréstimos intermediados pelo aplicativo, chegando a R$ 20 milhões até o final deste ano.