Dicas para lojista se adaptar ao aumento de 8% no frete dos Correios

Head da Becommerce aponta caminhos para o micro e pequeno empreendedor diminuir prejuízo causado pela reajuste

Frederico Flores 02/02/2019
Frederico Flores 02/02/2019

Os Correios confirmaram reajuste de 8,03% no valor dos fretes em compras. A mudança chega a partir do dia 06 de março e, segundo a estatal, o aumento ainda ficou abaixo do IGP-M de 2018, que foi de 8,74%. Para os os lojistas virtuais e quem vende em marketplaces, o aumento não é uma boa notícia, já que muitos precisaram se organizar para o valor não ficar tão alto e prejudicar as vendas. De acordo com estimativa da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico, a ABComm, o volume de vendas do comércio eletrônico deve chegar a R$ 79,9 bilhões em 2019.

De acordo com Frederico Flores, especialista em marketplace e head da Becommerce , empresa do Grupo Mercado Livre, o frete ainda é o maior responsável pelos custos logísticos no Brasil. “O frete no Brasil representa cerca de 60% do valor total da venda e muitas vezes isso é um problema. Da perspectiva do consumidor, ele geralmente procura o frete grátis ou de menor valor”. Com o reajuste no preço o lojista precisará se organizar para repassar esse custo, que muitas vezes impacta no preço dos produtos”, explica.

O especialista dá algumas dicas para os lojistas já se prepararem para os efeitos do aumento do frete dos Correios.

Negocie com fornecedores

Ao negociar o preço com fornecedores é possível cortar custos em uma ponta para compensar o gasto na outra, o que pode significar manter o valor do frete e dos seu produtos também.

Estimule o mínimo de compras

Estabeleça um valor ou quantidade mínima de peças para compra que viabilize a oferta de frete mais barato ou até grátis. Essa estratégia ajuda a vender mais itens em uma única compra – compensando o benefício do frete oferecido ao consumidor.

Tenha uma rede de distribuição

Trabalhe com mais de uma transportadora. Cada uma tem a sua especialidade de entrega: produtos leves, pesados ou categoria específica. Isso pode baratear custos. Também use empresas com entrega rápida, que atendam regiões onde há mais clientes. Optar por entregas ecológicas, como as bikes, também é uma boa opção – caso você atenda locais próximos ao seu estoque.

Faça promoções localizadas

Realize ações direcionadas a regiões onde há maior concentração de clientes. Você pode filtrar também as localidades com fretes mais baixos e criar ações como a venda casada de produtos, os combos – se livrando daqueles itens que ficaram encalhados no estoque.

Invista em tecnologias e softwares eficientes

Ainda de acordo com o especialista, para não ser pego desprevenido com mudanças como essa é preciso ter uma gestão de qualidade que ajude a controlar toda a logística do seu e-commerce e tomar decisões assertivas para não prejudicar a saúde financeira do seu negócio.

A Becommerce, por exemplo, é a maior plataforma para gestão de vendas em marketplaces da América Latina a oferecer serviços que ajudam o vendedor a centralizar e automatizar todas as etapas do processo de venda, desde o primeiro contato do cliente com a sua loja até a entrega do produto. Por meio da Becommerce é possível gerenciar produtos e estoque, organizar anúncios nos maiores marketplaces, configurar frete e até ter acesso a relatórios com o total de vendas, faturamento e lucratividade das lojas.

www.becommerce.com.br

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.