Engravidei, fui demitida, virei empreendedora e me sinto realizada com o negócio

Agatha Barreto Connisky 21/05/2019
Agatha Barreto Connisky 21/05/2019

Eu me chamo Agatha Barreto Connisky, tenho 29 anos e me tornei empreendedora em uma franquia de turismo após ser demitida em uma casa de câmbio quando voltei da licença-maternidade.

Durante quatro anos trabalhei em uma grande casa de câmbio em Curitiba e sempre me considerei uma funcionária exemplar. Trabalhava em um ambiente totalmente isolado, com paredes e vidros blindados e portas a base de senhas, o que gerava certo desconforto que tomou grandes proporções quando engravidei do meu filho, Enzo, hoje com quase três anos. Corri risco de vida por conta da pré-eclâmpsia que tive e ainda engordei 27 quilos durante a gestação. O excesso de peso gerou dificuldades em exercer algumas tarefas, e como ficava muito tempo sentada acabou por prejudicar minha circulação.

O relacionamento com a empresa se tornou insustentável, mesmo informando todos os riscos de saúde a meus superiores nada foi feito. É como se estivesse sendo punida por ter engravidado. Demorei duas semanas após descobrir a gravidez para contar aos meus chefes, pois tinha muito medo de ser reprimida. E eu estava certa. No momento em que contei fui julgada, disseram que não esperavam por eu não ser casada. Tive dificuldades em sair do trabalho para fazer os exames de rotina. Era repreendida se ficava doente ou se ia muitas vezes ao banheiro. Foi uma experiência muito ruim. Eu queria parar de trabalhar só no último dia para poder aproveitar a licença-maternidade o máximo possível com meu filho, porém não foi possível. Minha gestora na época me obrigou a pegar licença bem antes do previsto, pois não queria que lhe trouxesse atestados. Então recomendou que eu já tirasse a licença. Tirei cerca de um mês antes do parto, contra minha vontade. Mas após chegar em casa e me dedicar apenas a chegada do parto me senti também aliviada. Quando meu filho nasceu foi a melhor sensação do mundo. Foi angustiante voltar ao trabalho quando ele estava com quatro meses de vida.

Ao voltar ao trabalho após concluída a licença fiquei na empresa mais seis meses, tempo que é garantido em lei pela estabilidade após a maternidade. Durante esse período os gestores sempre me perguntavam se queria engravidar novamente, se estava tomando pílula e se cuidando, e ainda era repreendida quando saía para amamentar ou quando meu filho ficava doente e precisava que eu cuidasse dele. Sempre batia todas as metas, ganhei todos os anos prêmios de melhor vendedora a nível nacional, nunca recebi uma reclamação, nenhuma ouvidoria durante os quatro anos que estive na empresa. Fui mandada embora nessas condições, por isso acredito que teve sim uma forte descriminação por parte da empresa e a gravidez foi parte disso.

Fora do mercado de trabalho e com uma criança pequena em casa e as dificuldades de conseguir um novo emprego resolvi empreender, não porque era um sonho, mas sim por ser a única opção que encontrei naquele momento para pagar as contas.

Após algumas pesquisas pela internet conheci a franquia Encontre Sua Viagem, apaixonada por turismo e por conhecer lugares novos visualizei uma boa oportunidade no segmento. O que me fez bater realmente o martelo para compra do negócio foi o valor barato (na época paguei R$11.500), que inclusive peguei o dinheiro do acerto de contas para fazer o investimento, além da possibilidade de conduzir o negócio home office, para ter mais flexibilidade de horários e passar mais tempo com meu filho. Meu novo trabalho permitiu ficar com meu filho em tempo integral, sem a necessidade de colocar na creche e ainda possibilitou estender o período de amamentação no peito. Sou formada em RH e hoje curso ensino superior em Hotelaria e Turismo em Curitiba para aprimorar ainda mais a minha vida profissional.

Logo no primeiro momento busquei investir no setor de franquias por ser um negócio estruturado e ainda o know-how da franqueadora, inclusive o suporte full time, ideal para pessoas que assim como eu não tinham experiência alguma nesse mercado.

Com uma boa carteira de clientes ter o negócio próprio, principalmente conduzindo da própria casa requer muita disciplina e atenção, porém veio de encontro exatamente com o momento que eu estava passando e ainda ser minha própria chefe, fazendo os meus próprios horários, sempre de olho nos passos do meu filho.

Assim que completei um ano na franquia consegui recuperar todo o dinheiro investido e a expectativa é que até o final deste ano venha a ganhar 100% a mais do que ganhava no antigo emprego. Ser empreendedora nunca esteve nos meus planos, mas hoje me sinto realizada com o negócio que possibilita que eu atenda clientes de várias regiões do Brasil, inclusive eu posso conduzir o negócio em qualquer lugar, basta eu estar com o computador. Tenho ciência que empreender leva tempo e o passo mais importante eu já dei que é abrir um negócio. Hoje tenho liberdade de viajar e fazer atividades de lazer quando eu quiser.

http://www.encontresuaviagem.com.br