Especialista dá dicas para melhorar seus investimentos

Redação 02/10/2020
Redação 02/10/2020

Têm crescido exponencialmente o número de pessoas investindo no mercado financeiro. E esse crescimento se deve a dois motivos: a queda na taxa de juros (Selic) derrubou drasticamente a rentabilidade dos investimentos em Renda Fixa; e, por conta da pandemia da Covid-19, muita gente que perdeu o emprego buscou a bolsa de valores como uma possível fonte de renda alternativa.

Para o especialista e professor do curso “Desmistificando a Bolsa de Valores: Saiba como operar no mercado de renda variável” da FECAP, Luis Gustavo Giosa, uma opção para melhorar os rendimentos é investir nos fundos multimercados, que direcionam os investimentos em ações, renda fixa e câmbio, sendo ideal para quem busca minimizar os riscos e maximizar os ganhos por meio da diversificação da carteira.

A seguir, ele reúne mais dicas infalíveis para maximizar os rendimentos:

INVESTIMENTO DA VEZ

Atualmente, os “investimentos da vez” tem sido a renda fixa, os fundos imobiliários e de investimentos, que são voltados para um tipo de investidor mais “conservador”. Contudo, com o aumento de CPFs na bolsa, as pessoas estão buscando mais por ativos como o mini índice e o mini dólar (renda variável), que são ativos que qualquer um pode começar a operar sem ter muito dinheiro. O investimento menos badalado, sempre foi e sempre será deixar o dinheiro na poupança.

PERFIL DO INVESTIDOR

Perfil conservador: para quem não tem aversão ao risco, são indicados investimentos em Renda Fixa e Renda Variável. Renda Fixa consistem em Títulos Públicos, Letras de Créditos (LCI e LCA), CDB, RDB, Debêntures, além da poupança. Esse são considerados investimentos de baixo risco, portanto, para um público mais conservador.

Perfil agressivo: para quem quer ver seu patrimônio crescer de forma mais “rápida”, é indicada a renda variável, que consiste em investimento em ações, opções, derivativos de Dólar e Índice, ouro, juro, etc. Esse tipo de investimento se enquadra para um público mais “agressivo”. Mas, lembre-se: todo investimento em renda variável têm um risco atrelado.

ERRO MAIS COMUM

O erro mais comum cometido pelos investidores na hora de aplicar seus recursos é não ter o menor conhecimento na hora de investir, principalmente tratando-se de renda variável. Investir dinheiro em empresas sem saber como está a saúde financeira da companhia, balanços, etc. Além de não diversificar os investimentos, colocando todos os “ovos” em uma cesta só.

DICA PARA QUEM VAI COMEÇAR A INVESTIR

Procure saber no que irá investir. Seja pelo seu banco ou corretora, consulte sempre o gerente ou assessor para saber o investimento/ativo está dando melhores retornos no curto, médio e longo prazo.

DICA PARA QUEM JÁ INVESTE

Busque sempre por conselhos dos profissionais especializados. Às vezes, um investimento que você acredita que seja bom, pode não estar rendendo o suficiente dentro da sua expectativa, enquanto outros podem estar performando melhor.

FUTURO DOS INVESTIMENTOS

Segundo o especialista, as pessoas estão buscando mais conhecimento sobre investimentos em renda fixa e variável. A tendência é que a procura por esses tipos de investimentos aumente cada vez mais.

CURSO

Investir no mercado de ações pode parecer um bicho de sete cabeças, mas não é. Cada vez mais o brasileiro tem despertado para o potencial dos investimentos e buscado informação correta e confiável para gerar mais renda.

Para ajudar os novos investidores, a FECAP lança o curso on-line chamado “Desmistificando a Bolsa de valores: saiba como operar no mercado de Renda Variável”. Com carga horária total de 8 horas, as aulas acontecem nos dias 24 e 31 de outubro, dois sábados, das 9h às 12h30h.

O curso apresenta os conceitos da Análise Técnica e Gráfica, bem como o Price Action, para que o investidor consiga interpretar um gráfico de qualquer ativo, a fim de investir, montar uma carteira ou apenas operar no intraday.

As inscrições estão abertas de 22 de setembro a 22 de outubro e o curso custa R$272,00. Alunos e ex-alunos da FECAP têm desconto, e pagam R$ 136. Para obter o certificado, não há avaliação, o aluno precisa ter, no mínimo, em 75% de presença nas aulas.

Comentar

Os itens com asterisco (*) são obrigatórios. Seu e-mail não será publicado.